December 13, 2019

 

A prova milionária está de volta e com ela vieram alguns resultados totalmente surpreendentes e outros nem por isso. Olhemos então para o que aconteceu neste regresso da Champions League.


 

Foi numa terça-feira que voltou a prova dos milhões, uma terça-feira de surpresas. Em Paris, o todo poderoso Barcelona foi cilindrado por um Paris Saint-Germain que foi mais forte, melhor. Os comandados de Luis Enrique chegaram na máxima força à cidade-luz mas, em dia de São Valentim, foram os parisienses que comandaram totalmente as operações na cidade mais romântica do mundo e mandaram os blaugrana para casa com quatro golos sem resposta na bagagem. Di María, Cavani e Rabiot foram as grandes figuras de uma partida que viu o pior Messi da época, um André Gomes confrangedor (tarda em afirmar-se nos culés) e um total desnorte na defesa. Não fossem os raides de Neymar Jr. e o Barcelona teria sido totalmente inofensivo. Não gostamos de ser fatalistas, mas a participação do clube espanhol na edição deste ano parece que vai ficar pelos oitavos de final, algo que não acontece desde a longínqua época de 2006/07.

 


 

No Estádio da Luz, o Benfica conseguiu contrariar todos os prognósticos e levar de vencido o Borussia Dortmund por 1-0. Os comandados de Tuchel dominaram totalmente a partida mas os encarnados tiveram em Ederson um muro intransponível, nem mesmo de pénalti foi possível desfeitear o guarda-redes brasileiro que tinha Taffarel a observá-lo na bancada para uma eventual chamada à canarinha — que depois desta exibição não deve tardar. Mas voltemos ao jogo, O Dortmund tentou de tudo e mais alguma coisa, rematou vezes sem conta, mas Dembelé e, principalmente, Aubameyang (que parece já estar com a cabeça fora do clube alemão) falharam tudo que era possível falhar. O Benfica parte em vantagem para a segunda mão, mas é uma vantagem escassa para se levar para o Signal Iduna Park e a sua lendária parede amarela, vai ser precisa uma exibição muito melhor que a da primeira mão para conseguir ultrapassar este Borussia em casa… até porque o nível de desacerto demonstrado pelo Die Borussen não se repete muitas vezes.

 


 

Na quarta-feira houve mais dois jogos. O Arsenal foi a Munique defrontar o Bayern e saiu subjugado a uns copiosos 5-1. Os comandados do cada vez mais contestado Wenger parecem querer seguir o mesmo caminho das últimas seis épocas e sair da prova milionária nos oitavos de final. É preciso recuar até à época 2009/10 para ver o Arsenal passar esta fase da prova, na altura frente ao FC Porto (6-2 para os Gunners no conjunto das duas mãos). O Bayern de Ancelotti não tem deslumbrado mas tem jogadores de imensa qualidade, capazes de fazer a diferença a qualquer instante — basta ver o golo de Arjen Robben para se perceber isso. O resultado que os Die Roten levam para Londres parece ser mais do que suficiente para carimbar passaporte para os quartos-de-final e confirmar que são um dos grandes candidatos à vitória final.

 


 

Por fim, o Real Madrid recebeu o Napoli no Bernabéu e venceu por 3-1. Os napolitanos até começaram a vencer com golo de Insigne logo aos oito minutos, mas os merengues rapidamente tomaram conta dos acontecimentos e fizeram o 3-1 final aos 54 minutos de jogo. Cristiano Ronaldo voltou a ficar em branco (leva apenas dois golos em sete jogos na prova este ano) mas fez a assistência para o golo de Toni Kroos. Um resultado positivo mas bastante perigoso para se levar para o San Paolo, devido ao golo sofrido em casa. Os madridistas são capazes de ganhar em qualquer campo mas os Azzurri também têm qualidade para conseguir aproveitar um mau dia dos comandados de Zidane.

 

 

Agora resta esperar pela segunda-mão e até lá aproveitar os jogos que restam desta fase. A saber:

21/02

Manchester City — Monaco

Bayer Leverkusen — Atlético Madrid

 

22/02

Sevilla — Leicester City

FC Porto — Juventus

 

Paulo Correia

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE