November 16, 2018

 

Divisão Atlântico – Conferência Este

 

Boston Celtics

 

Record 2017/18: 55-27, 2º na divisão e na conferência

Offensive Rating 17/18: 106.7, 18º da Liga

Defensive Rating 17/18: 103.1, 2º da Liga

Net Rating 17/18: 3.6, 7º da Liga

 

Treinador: Brad Stevens

 

Entradas relevantes: Robert Williams

Saídas Relevantes: Greg Monroe

 

Roster:

PG: Kyrie Irving / Terry Rozier / Brad Wanamaker

SG: Jaylen Brown / Marcus Smart / Jabari Bird

SF: Gordon Hayward / Semi Ojeleye / PJ Dozier

PF: Jason Tatum / Marcus Morris / Daniel Theis / Guerschon Yabusele

C: Al Horford / Aron Baynes / Robert Williams

 

Ponto +

Brad Stevens. Podia escolher o retorno dos lesionados, a excelente profundidade ou o imenso talento dos jovens, mas Brad Stevens continua a ser quem mais faz a diferença nestes Celtics. Stevens é sem dúvida um dos melhores treinadores da Liga, senão mesmo o melhor neste momento. É fantástico como consegue tirar tudo o que os jogadores têm para dar, escondendo-lhes as lacunas e promovendo os seus pontos fortes. Além de ser um treinador que prepara os jogos de forma excelente, é também fantástico a fazer ajustes durante os jogos. Desde que Stevens está ao comando que a equipa melhorou o seu record todos os anos, começou com 25 vitórias no seu primeiro ano até às 55 vitórias do ano passado. Este ano espera-se nova melhoria da equipa, ainda mais quando este é o roster com mais qualidade e profundidade que já teve.

 

Ponto –  

Tanta profundidade pode vir a revelar-se um problema. Com Hayward e Irving saudáveis, os jovens que carregaram a equipa o ano passado não vão naturalmente ter tantos minutos nem tanta bola na mão. Como vai Stevens manter todos contentes e como vão esses jogadores lidar com um papel menor, pode vir a ter importância na química da equipa.

 

Ponto de ?

Que Hayward vamos ter esta época? Depois de uma lesão tão grave como a que teve é natural que leve o seu tempo a voltar ao topo das suas capacidades, ou perto disso até. Se for o Hayward de há dois anos ou perto disso, um jogador extremamente completo e que era Top 25 da Liga, o potencial desta equipa aumenta consideravelmente. Especialmente quando chegarem os playoffs, em que se esperam duelos difíceis para os alas da equipa.

 

Objetivo:

Ganhar a conferência e conseguir dar já muita luta numa potencial final contra os Warriors.

 

Previsão:

2º na divisão e na conferência.


Brooklyn Nets

 

Record 2017/18: 28-54, 5º na divisão e 12º na conferência

Offensive Rating 17/18: 106.0, 22º da Liga

Defensive Rating 17/18: 109.6, 21º da Liga

Net Rating 17/18: -3.6, 24º da Liga

 

Treinador: Kenny Atkinson

 

Entradas relevantes: Shabazz Napier, Jared Dudley, Ed Davis, Kenneth Faried, Dzanan Musa

Saídas Relevantes: Dante Cunningham, Jeremy Lin, Jahlil Okafor, Nik Stauskas, Darrell Arthur

 

Roster:

PG: D’Angelo Russell / Spencer Dinwiddie / Shabazz Napier

SG: Allen Crabbe / Joe Harris / Treveon Graham / Theo Pinson

SF: DeMarre Carroll / Caris LeVert / Dzanan Musa

PF: Rondae Hollis-Jefferson / Kenneth Faried / Jared Dudley / Rodions Kurucs

C: Jarrett Allen / Ed Davis / Alan Williams

 

Ponto +

Lançamento exterior. Os Nets têm vários jogadores que gostam muito de atirar de fora, e têm qualidade para o fazer. Já o ano passado eram uma equipa que baseava o seu jogo no tiro exterior, e este ano parecem ter ainda mais qualidade e estar mais bem preparados para o fazer.

 

Ponto –

Defesa. Este ano a equipa parece estar melhor preparada para defender, mesmo assim não se espera uma melhoria ao ponto de os pôr na metade superior das melhores defesas da Liga. O que, quando também não se tem um dos melhores ataque, é preocupante para uma equipa que quer começar a ser relevante.

 

Ponto de ?

Os Nets precisam desesperadamente que uma estrela se revele na equipa, capaz de os elevar para outro patamar. Mas quem? Estará DeAngelo Russell preparado para dar esse salto? Será essa estrela Jarrett Allen, ou pode um outro jogador surpreender?

 

Objetivo:

Tornar a equipa competitiva e tentar surpreender na luta pelos playoffs.

 

Previsão:

4º na divisão, 11º na conferência.


New York Knicks

 

Record 2017/18: 29-53, 4º na divisão e 11º na conferência

Offensive Rating 17/18: 106.2, 20º da Liga

Defensive Rating 17/18: 109.6, 22º da Liga

Net Rating 17/18: -3.4, 23º da Liga

 

Treinador: David Fizdale

 

Entradas relevantes: David Fizdale (treinador), Kevin Knox, Mitchell Robinson, Mario Hezonja, Noah Vonleh, Allonzo Trier

Saídas Relevantes: Jeff Hornacek (treinador), Michael Beasley, Kyle O’Quinn, Joakim Noah

 

Roster:

PG: Trey Burke / Emmanuel Mudiay / Ron Baker

SG: Frank Ntilikina  / Courtney Lee / Allonzo Trier

SF: Tim Hardaway Jr. / Mario Hezonja / Damyean Dotson

PF: Kevin Knox / Lance Thomas / Noah Vonleh / Isaiah Hicks

C: Enes Kanter / Mitchell Robinson / Luke Kornet / Kristaps Porzingis [surge neste lugar na rotação por estar lesionado e ainda não haver previsões sobre quando regressa]

 

Ponto +

Juventude, talento e um novo rumo. Com a mudança de general manager e de treinador, vieram novas ideias e um novo plano para a equipa. Finalmente os Knicks resolveram começar a arrumar a casa ao dispensarem Joakim Noah. Draftaram jovens com talento e vão finalmente apostar no futuro da equipa, estando já também a piscar o olho aos jogadores de topo que vão estar na próxima free agency.

 

Ponto –

Pouca qualidade defensiva. Os Knicks têm habitualmente sido fracos defensivamente, e este ano isso ainda não deve mudar. Porzingis é muito bom defensivamente, mas está lesionado e não se sabe ainda quando e como retornará. Ntilikina tem tudo para ser de topo defensivamente, mas vai ter naturalmente as suas dores de crescimento esta época. A partir daí são mais dúvidas para o bom e certezas para o mal, do que o contrário. Vamos esperar que com treinador novo, pelo menos a aplicação na defesa aumente.

 

Ponto de ?

Vão os Knicks aproveitar esta lesão de Porzingis para dar mais minutos aos jovens, aumentando a chance de perder jogos e assim ter mais uma pick de topo no próximo draft? Ou vão tentar ser competitivos com os mais velhos, para lhes subir o valor de mercado? Vão ter que se decidir cedo na época ou arriscam a ficar a meio do caminho, não tirando o máximo de partido nem de uma coisa nem de outra.

 

Objetivo:

Trabalhar ao máximo o potencial dos miúdos, para assim passar a mensagem aos alvos na free agency de que esta equipa tem um futuro risonho.

Previsão:

5º na divisão, 14º na conferência.


Philadelphia 76ers

 

Record 2017/18: 52-30, 3º na divisão e na conferência

Offensive Rating 17/18: 108.3, 14º da Liga

Defensive Rating 17/18: 103.8, 3º da Liga

Net Rating 17/18: 4.5, 4º da Liga

 

Treinador: Brett Brown

 

Entradas relevantes: Wilson Chandler, Zhaire Smith, Landry Shamet, Jonah Bolden, Mike Muscala

Saídas Relevantes: Marco Belinelli, Ersan Ilyasova, Justin Anderson, Timothe Luwawu-Cabarrot, Richaun Holmes

 

Roster:

PG: Ben Simmons / T.J. McConnell / Landry Shamet / Demetrius Jackson

SG: Markelle Fultz / J.J. Redick / Zhaire Smith / Jerryd Bayless / Shake Milton

SF: Robert Covington / Wilson Chandler / Furkan Korkmaz

PF: Dario Saric / Mike Muscala / Jonah Bolden

C: Joel Embiid / Amir Johnson

 

Ponto +

Defesa de topo. Esta equipa já o ano passado foi de topo defensivamente, mas este ano pode subir ainda mais o nível. Já se sabia que Embiid tinha tudo para ser um excelente defensor e que Covington é um defensor de perímetro top. O que não se sabia era o que Bem Simmons ia dar defensivamente, e o rookie do ano esteve já a um grande nível. A sua altura, envergadura e capacidade física fazem a diferença na posição, e este ano pode subir ainda outro patamar. À equipa do ano passado foram adicionados Chandler e Muscala, jogadores que sabem tomar conta de si no lado menos glamoroso do jogo. A eles juntam-se ainda um Fultz a 100% e o rookie Zhaire Smith, jogadores que têm todos os atributos físicos para serem bons defensores também.

 

Ponto –

Tiro exterior e spacing. Brett Brown parece apostado em incluir já Fultz como starter, em detrimento do melhor sniper da equipa, J.J. Redick. No futuro esta aposta pode vir a pagar dividendos, mas de momento juntar Fultz a Simmons e Embiid vai tirar qualidade de lançamento e comprimir o espaço à primeira lineup, que vai fazer com que as defesas adversárias não respeitem tanto o exterior dos 76ers e concentrem a sua atenção no jogo interior da equipa. As saídas de Belinelli e Ilyasova também podem vir a ter mais importância do que o que se pensa, eram jogadores menos talentosos, mas que davam poder de fogo à equipa e abriam espaço para as estrelas poderem brilhar.

 

Ponto de ?

Já sabemos o que Embiid e Simmons podem dar, assim como quase todos os jogadores da rotação. Mas o que pode dar Fultz? A forma como a pick #1 do draft de 2017 se vai integrar e evoluir dentro do jogo da equipa, vai definir o tecto dos 76ers. Se Fultz conseguir ligar bem com as estrelas e apresentar um lançamento, pelo menos, razoável, a sua capacidade atlética e velocidade dão à equipa uma outra potência no ataque às finais.

 

Objetivo:

Ir pelo menos às finais de conferência. Esta equipa tem demasiado talento para almejar menos.

 

Previsão:

3º na divisão e na conferência.


Toronto Raptors

 

Record 2017/18: 59-23, 1º na divisão e na conferência

Offensive Rating 17/18: 112.9, 2º da Liga

Defensive Rating 17/18: 105.1, 5º da Liga

Net Rating 17/18: 7.8, 2º da Liga

 

Treinador: Nick Nurse

 

Entradas relevantes: Nick Nurse (treinador), Kawhi Leonard, Danny Green, Greg Monroe

Saídas Relevantes: Dwane Casey (treinador), DeMar DeRozan , Jakob Poeltl

 

Roster:

PG: Kyle Lowry / Fred Van Vleet / Delon Wright / Lorenzo Brown / Jordan Loyd

SG: Danny Green / Norman Powell / Malachi Richardson

SF: Kawhi Leonard / OG Anunoby / C.J. Miles

PF: Serge Ibaka / Paskal Siakam / Chris Boucher

C: Jonas Valanciunas / Greg Monroe

 

Ponto +

Profundidade e flexibilidade do roster. O ano passado os Raptors tiveram o melhor banco da Liga, e este ano se não for o melhor outra vez não vai andar longe. A troca de DeRozan e Poeltl por Kawhi e Danny Green foi arriscada por Kawhi só ter este ano de contrato, mas foi muito bem pensada e traz mais flexibilidade ao jogo da equipa. Kawhi a 100% é talvez o melhor two-way player da liga com poucas ou nenhuma lacuna mesmo, Green é um 3&D experiente e clutch nos playoffs. Podem os dois defender múltiplas posições, e vão permitir à equipa jogar mais small ball quando necessário. A equipa tem vários snipers, jogadores two-way e tanto pode jogar small com Ibaka ou Siakam na posição 5, como jogar big com Valanciunas ou Monroe. Há peças para se adaptarem a tudo o que um jogo pode pedir, o que contra as melhores equipas deve fazer a diferença.

 

Ponto –

A equipa partiu para um novo rumo, vamos ver se a química que a equipa teve nas últimas épocas não fará falta. Saiu Dwane Casey, que foi mesmo eleito o treinador do ano, para o adjunto Nick Nurse assumir as rédeas. Apesar de conhecer bem a casa Nurse não deixa de ser um rookie como treinador principal, teremos de esperar para saber se tem mãos para conduzir este carro. Lowry vê-se separado do seu parceiro e melhor amigo, DeRozan. Como estará a moral e empenho do playmaker da equipa, e como vai ele ligar com Kawhi vão ditar muito do que será esta época.

 

Ponto de ?

A equipa contará com o Kawhi de há dois anos, um jogador candidato a DPOY e MVP? Se Leonard voltar a estar a 100% e totalmente empenhado no projeto dos Raptors, então a equipa dá um salto gigante na qualidade e ambição de bater de frente com qualquer equipa, até mesmo os Warriors numa potencial final.

 

Objetivo:

Ficar em primeiro na conferência outra vez, mas desta vez brilhar também nos playoffs e ir à final tentar o anel.

 

Previsão:

1º na divisão e na conferência.

 

Todas as estatísticas e informação são cortesia dos sites nba.com e basketball-reference.com

 

António Guedes

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE