November 16, 2018

 

A espera acabou, começa hoje mais uma época da melhor liga de basquetebol do mundo e este ano, como não podia deixar de ser, os motivos são mais que muitos para passar noites em claro. Os Golden State Warriors juntaram Cousins ao seu elenco de luxo, haverá alguma equipa com um antídoto eficaz para fazer frente a cinco all stars? Lebron saiu, finalmente, da costa Este e juntou-se aos Lakers no Oeste. Será suficiente para fazer voltar os purple and gold aos playoffs? Gordon Hayward e Irving estão prontos para criar uma dinastia no Este, mas têm Raptors e 76’ers a morder-lhes os calcanhares, quem tem mais hipóteses de triunfar? Os Knicks são assim tão maus como parecem? Luka Doncic vai ser tudo o que os europeus esperam que seja ou apenas uma versão mais nova do Teodosic? As respostas a estas perguntas e outras estão em baixo em mais um Power Rankings do Entre Linhas, escrito a 12 mãos e 3 cérebros e meio, desta vez com as contribuições do Pedro Filipe, do Ricardo Glenn Baptista, do Pedro Quedas, do Filipe Pardal, do Mauro Pedrosa e do estreante Rudy Cabral. Let the games begin.

 

 

 

#30

Sacramento Kings

 

Dono da equipa: Vivek Ranadive

General Manager: Vlade Divac

Treinador: David Joerger

Entradas: Marvin Bagley III (pick #2 do draft), Nemanja Bjelica (MIN), Yogi Ferrell (DAL), Wenyen Gabriel (undrafted rookie), Ben McLemore(MEM)

Saídas: Bruno Caboclo, Vince Carter (ATL), Jack Cooley, Nigel Hayes, JaKarrSampson, Garrett Temple (MEM)

Permanências: Bogdan Bogdanovic, Willie Cauley-Stein, De’Aaron Fox, Harry Giles, Buddy Hield, Justin Jackson, KostaKoufos, SkalLabissiere, Frank Mason III, Zach Randolph, Iman Shumpert

5 Inicial: D’Aaron Fox (guard), Bogdan Bogdanovic (guard), Buddy Hield (forward), Zach Randolph (forward), Willie Cauley-Stein (center)

6th Man: Justin Jackson (forward)

O Melhor: Um bom core de jovens jogadores dá algumas esperanças que podemos ter os Kings nos Playoffs daqui a 2, 3 anos. No entanto o melhor desta equipa é provavelmente a agilidade de rotações posicionais que os jogadores permitem a David Joerger. Buddy Hield será adaptado a small forward para dar espaço a um small ball durante os descansos do veterano Zach Randolph.

O Pior: Apesar das esperanças avultadas nos jovens, os Kings têm falhas estruturais e, acima de tudo, qualitativas. Um roster muito curto para qualquer tipo de aspirações.

Expectativas: Os Kings continuam a ser uma das piores equipas da liga e estarão condenados a ficar entre os 13º e o 15º lugar da conferência Oeste. Um verdadeiro sacramento…


 

#29

Atlanta Hawks

 

Dono da equipa: Tony Ressler

General Manager: Travis Schlenk

Treinador: Lloyd Pierce

Entradas: Jaylen Adams (R), Justin Anderson (PHI), Vince Carter (SAC), Daniel Hamilton (OKC), Kevin Huerter (R), Alex Len (PHX), Jeremy Lin (BKN), Alex Poythress (IND), OmariSpellman (R), TraeYoung (R)

Saídas: Tyler Cavanaugh (UTA), Antonius Cleveland, Malcolm Delaney, Damion Lee (GSW), Josh Magette, Jaylen Morris (MIL), Mike Muscala (PHI), Dennis Schröder (OKC), Isaiah Taylor, Andrew White

Permanências: Kent Bazemore, DeAndre’ Bembry, John Collins, Dewayne Dedmon, Tyler Dorsey, Miles Plumlee, Taurean Prince

5 Inicial: Trae Young (guard), Kent Bazemore (guard), Taurean Prince (forward), John Collins (forward), Dewayne Dedmon (center)

6th Man: Jeremy Lin (guard)

O Melhor: O talento jovem de Taurean Prince, John Collins e, acima de tudo, Trae Young.

O Pior: São muito, muito jovens. O objetivo será, provavelmente, tentar ficar em último na liga.

Expectativas: Numa época clara de transição, todos os olhos vão estar voltados para Trae Young, que terá de justificar o facto dos Hawks terem abdicado do jovem prodígio Luka Doncic para o garantir. Dito isso, o objetivo (não muito secreto) é mesmo ficar em último, para tentar ter uma boa posição no draft. Não é que existam grandes problemas estruturais na equipa e, na verdade, o plano até parece o correto, mas os resultados simplesmente não vão aparecer ainda. Para os fãs, restará o prazer de ver o crescimento de talentos como Taurean Prince, John Collins e o já mencionado Trae Young, que terá luz verde para lançar de todas as formas e feitios. Vai ser… interessante.


 

#28

Orlando Magic

 

Dono da equipa: Doug DeVos

General Manager: John Hammond

Treinador: Steve Clifford

Entradas: Mohamed Bamba (R), Isaiah Briscoe (R), Troy Caupain (R), Melvin Frazier (R), Jerian Grant (CHI), Amile Jefferson (R), Jarell Martin (MEM), TimofeycMozgov (BKN)

Saídas: Arron Afflalo, Jamel Artis, Bismack Biyombo (CHA), Mario Hezonja (NYK), Shelvin Mack (MEM), Rodney Purvis, Marreese Speights

Permanências: D.J. Augustin, Khem Birch, Evan Fournier, Aaron Gordon, Jonathan Isaac, Wesley Iwundu, Terrence Ross, Jonathon Simmons, Nikola Vucevic

5 Inicial: D.J. Augustin (guard), Evan Fournier (guard), Aaron Gordon (forward), Jonathan Isaac (forward), Nikola Vucevic (center)

6th Man: Mohamed Bamba (center)

O Melhor: O potencial defensivo das suas jovens estrelas não tem limites.

O Pior: É muito complicado ganhar jogos sem tiro exterior ou sequer um point guard remotamente competente.

Expectativas: Os Magic não vão ser bons este ano. Em defesa deles, não é necessariamente suposto. Depois de vários anos a cometer a proeza de serem maus, mas ao mesmo tempo abdicarem de talento para tentar ter resultados a curto prazo, o front office de Orlando parece finalmente estar empenhado em começar de novo. Na linha da frente da sua esperança para o futuro, está o atleticismo de talentos como Aaron Gordon, Jonathan Isaac ou o rookie Mohamed Bamba, à espera da antecipada saída de NikolaVucevic para conquistar um lugar num cinco titular. Olhando para este ano, no entanto, este é um plantel que continua sem expectativas de sucesso imediato, deixando os seus fãs na posição ingrata de torcer por derrotas e por melhor sorte na lotaria do próximo ano.


 

#27

Chicago Bulls

 

Dono da equipa: Jerry Reinsdorf

General Manager: Gar Forman

Treinador: Fred Hoiberg

Entradas: Rawle Alkins (rookie undrafted), Wendell Carter Jr. (pick #7 do draft), Chandler Hutchison (pick #22 do draft), Jabari Parker, Tyler Ulis

Saídas: Jerian Grant, Sean Kilpatrick, David Nwaba, Noah Vonleh, Paul Zipser

Permanências: Omer Asik, Antonio Blakeney, Kris Dunn, Cristiano Felicio, Justin Holiday, Zach LaVine, Robin Lopez, Lauri Markkanen, Cameron Payne, Bobby Portis, Denzel Valentine, Ryan Arcidiacono.

5 Inicial: Kris Dunn (guard), Zach LaVine (guard), Jabari Parker (forward), Lauri Markkanen (forward),Robin Lopez (center)

6th Man: Wendell Carter Jr. (forward)

O Melhor: Tendo conseguido manter o plantel chave da época 2017-18, com o regresso a casa de Jabari Parker e a sétima pick do draft, Wendell Carter Jr., os Chicago continuam a sua jornada de rebuild e têm esta época a possibilidade de experimentar diferentes combinações ofensivas, com Kris Dunn a dar bons sinais de liderança durante a pré-época. Tendo também performances defensivas consistentes, é uma equipa jovem e com potencial de crescimento. Todavia longe de ser uma equipa de playoffs, em 2018-19 espera-se uma performance superior à época passada.

O Pior: Zach Lavine. Tendo perdido a maioria da época 2017-18 devido a lesão, a performance dos Chicago está dependente do estado físico de Lavine. Após a renovação do contrato ($78m), as expectativas são que Lavine seja a principal referência da equipa.

Expectativas: Duas ou três posições abaixo da metade da tabela da conferência Este, nos cenários mais positivos. Semelhante a várias outras equipas da NBA, as maiores dúvidas sobre os Chicago residem no estado físico dos seus jogadores chave, assim como o crescimento de Wendell Carter Jr.


 

#26

Phoenix Suns

 

Dono da equipa: Robert Saver

General Manager: Ryan McDonough

Treinador: Igor Koskov

Entradas: Ryan Anderson (HOU), Trevor Ariza (HOU), DeAndre Ayton (R), Mikal Bridges (pick #10 do draft), Isaiah Canaan, Jamal Crawford (MIN), Richaun Holmes (PHI), George King (pick #59 do draft), De’Anthony Melton (pick #46 do draft), Élie Okobo (pick #31 do draft)

Saídas: Marquese Chriss (HOU), Jared Dudley (BKN), Shaquille Harrison, Danuel House, Brandon Knight(HOU), Alex Len (ATL), Elfrid Payton (NOP), Alec Peters, Tyler Ulis (CHI), Alan Williams (BKN).

Permanências: Dragan Bender, Devin Booker, Tyson Chandler, Troy Daniels, Josh Jackson, Davon Reed, T.J. Warren

5 Inicial: Isaiah Canaan (guard), Devin Booker (guard), Trevor Ariza (forward), Ryan Anderson (forward), DeAndre Ayton (center)

6th Man: TJ Warren (forward)

O Melhor: O melhor de Phoenix tem dois apelidos: Booker e Ayton. Dois jovens com um potencial imenso que poderão levar a equipa do Arizona a voos mais altos muito em breve (mas ainda não este ano). Devin Booker é uma estrela prestes a explodir e poderá muito bem tomar de assalto a liga já este ano, quando muitos fãs se esquecem dele quando se fala de “novas caras” da NBA.

O Pior: A posição de point guard. Simplesmente não existe nenhum jogador no roster com capacidade para distribuir e construir jogo. Como consequência, é provável que os Suns vivam e morram no seu forte tiro exterior, mas sem uma ligação entre rotações que abram espaços a mais estratégias ofensivas.

Expectativas: Mais um ano longe das decisões, mas com um registo muito superior ao do ano passado (21-61).


 

#25

Brooklyn Nets

 

Dono da equipa: Mikhail Prokhorov

General ManagerSean Marks

Treinador: Kenny Atkinson

Entradas: Ed Davis, Jared Dudley, Kenneth Faried, Treveon Graham,  Rodions Kurucs (rookie), Dzanan Musa (rookie), Shabbaz Napier, Theo Pinson (rookie), Alan Williams

Saídas: Quincy Ace, Dante Cunningham, Milton Doyle, Jeremy  Lin, Timofey Mozgov, Jahlil Okafor, Nick Stauskas, James Webb, Isaiah Whitehead

Permanências: Jarrett Allen, Demarre Carroll, Allen Crabbe, Spencer Dinwiddie, Joe Harris, Rondae Hollis-Jefferson, Caris LeVert, D’Angelo Russell.

5 Inicial: Spencer Dinwiddie (guard), D’Angelo Russell (guard), Allen Crabbe (forward), DeMarre Carroll (forward), Jarrett Allen (center)

6th ManKenneth Faried (forward)

O Melhor: Mudou muita gente neste roster, começa a parecer-se com um rebuild. Muito pior do que estava, não fica! A chegada de Kenneth Faried seria uma boa notícia…

O Pior: …  se soubéssemos o que esperar de um jogador que vem de uma temporada onde jogou 32 jogos, e foi preterido mesmo quando estava em condições de jogar. Trouxeram um Manimal meio fanhoso (e enfumado) para acordar um Brooklyn adormecido…

Expectativas: Mozgov, Lin, Okafor, Stauskas: OUT. A chegada de sangue novo a estes Nets era necessária, mas não vem mudar muita coisa. Vão continuar a rondar o fundo da tabela classificativa, à espera de um draft generoso. Até lá, nada a esperar desta equipa. Está num mercado atractivo (New York City) e pode estar a fazer cap space para seduzir um grande com um projecto de rebuild. Mas sinceramente, continuamos a não pôr muita fé que esta rede apanhe grandes peixes tão cedo…


 

#24

Memphis Grizzlies

 

Dono da equipa: Robert Pera

General Manager: Chris Wallace

Treinador: J.B. Bickerstaff

Entradas: Kyle Anderson (SAS), Jevon Carter (pick #32 do draft), Omri Casspi, Jaren Jackson Jr. (pick #4 do draft), Shelvin Mack (ORL), D.J. Stephens, Garrett Temple (SAC), Yuta Watanabe (undrafted rookie)

Saídas: Mario Chalmers, Deyonta Davis, Tyreke Evans (IND), Myke Henry, Omari Johnson, Jarell Martin (ORL), Ben McLemore (SAC), Kobi Simmons

Permanências: Dillon Brooks, MarShon Brooks, Mike Conley, Marc Gasol, JaMychal Green, Chandler Parsons, Ivan Rabb, Wayne Selden, Andrew Harrison

5 Inicial: Mike Conley (guard), Garrett Temple (guard), Jaren Jackson Jr. (forward), Chandler Parsons (forward), Marc Gasol (center)

6th Man: Kyle Anderson (forward)

O Melhor: Ver crescer uma das maiores promessas deste draft, Jaren Jackson Jr., a escolha número quatro, que com apenas 19 anos e do alto dos seus 2,11 metros e 110 kgs é alto o suficiente para jogar a center, mas rápido e versátil o suficiente para jogar a power forward.

O Pior: Todo o plantel com excepção de Mike Conley, Marc Gasol e Jaren Jackson Jr. (sim, sei que há por aí uns maníacos da calculadora com fórmulas capazes de provar que o Kyle Anderson nos Spurs foi dos mais úteis jogadores da liga o ano passado e bla bla bla é um  grande jogador, bla bla bla… Bem, temos novidades para vocês: Não, ele não é isso tudo e se puserem mais tabaco no que quer que seja que andam a fumar essa sensação passa. De nada.)

Expectativas: Este Grizzlies têm o melhor base defensivo da liga, Mike Conley, e um dos melhores e mais inteligentes centers do jogo, o espanhol Marc Gasol, mas ambos estão fisicamente por arames, tudo o resto deixa muito a desejar e a adaptação de Jaren Jackson Jr. à liga é uma incógnita. Na lotada conferência Oeste é certo que andarão pelos lugares de baixo da tabela.


 

#23

New York Knicks

 

Dono da equipa: Jim Dolan

General ManagerSteve Mills

Treinador: Jeff Hornacek

Entradas: Mario Hezonja, Kevin Knox (rookie), Mitchell Robinson (rookie), Alonzo Trier (rookie), Noah Vonleh

Saídas: Michael Beasley, Jarrett Jack, Joakim Noah, Kyle O’Quinn, Troy Williams.

Permanências: Ron Baker, Damyean Dotson, Tim HardawayJr., Enes Kanter, Luke Kornet, Courtney Lee, Emmanuel Mudiay, Frank Nitlinkina, Kristaps Porzingis, Lance Thomas, Trey Burke.

5 Inicial: Trey Burke (guard), Courtney Lee (guard), Tim Hardaway Jr. (forward), Kristaps Porzingis (forward), Enes Kanter (center)

6th ManMario Hezonja (forward)

O Melhor:  Mais uma limpeza, e desta vez o maior peso morto (Joakim Noah, que jogou 7 jogos na temporada e custou aos Knicks a módica soma de 17 milhões de dólares e alguns trocos) libertou também uma massa salarial CONSEQUENTE. Quer isto dizer que os Knicks vão atacar o mercado com força em 2019?

O Pior:  Continua a ser uma equipa medíocre para o mercado em que está. A Big Apple merece uma grande equipa, o Madison Square Garden aguarda uma grande equipa há mais tempo que Portugal espera pelo regresso d’El Rey Dom Sebastiãum. Vai continuar à espera…

Expectativas: Vira o disco e toca o mesmo. 29 vitórias em 2017-18, não se aventam grandes mudanças. Hezonja vem dar uma mãozinha a Porzingis… assim que este estiver em condições de jogar… Yay?!?


 

#22

Dallas Mavericks

 

Dono da equipa: Mark Cuban

General Manager: Donnie Nelson

Treinador: Rick Carlisle

Entradas: Kostas Antetokounmpo (pick #60 do draft), Ryan Broekhoff (rookie que veio do Lokomotiv Kuban), Jalen Brunson (pick #33 do draft), Luka Doncic (pick #3 do draft), Devin Harris (DEN), DeAndre Jordan (LAC), Daryl Macon (undrafted rookie), Ray Spalding (pick #56 do draft)

 

Saídas: Kyle Collinsworth, Seth Curry (POR), Yogi Ferrell (SAC), Aaron Harrison, Doug McDermott (IND), Johnathan Motley (LAC), Nerlens Noel (OKC)

Permanências: José Juan Barea, Harrison Barnes, Maxi Kleber, Wesley Matthews, Salah Mejri, Dirk Nowitzki, Dwight Powell, Dennis Smith Jr., Dorian Finney-Smith (NG)

5 Inicial: Luka Doncic (guard), Dennis Smith Jr. (guard), Harrison Barnes (forward), Dirk Nowitzki (forward), DeAndre Jordan (center)

6th Man: Wesley Matthews (forward)

O Melhor:  A mãe do Luka Doncic, The Great European (white) Hope. Luca Doncic foi apenas a terceira escolha do draft por um motivo, porque é europeu e os americanos vão sempre olhar com alguma desconfiança para jogadores não americanos, tivesse ele nascido em terras do Tio Sam e a ESPN teria feito vários especiais sobre a sua chegada à NBA. O base esloveno de apenas 19 anos, que se notabilizou ao serviço do seu país e do Real Madrid tem tudo para se tornar uma das futuras estrelas da competição. Ver a sua capacidade de assistir um poste como DeAndre Jordan promete dar highlights espetaculares e muitas dores de cabeça às defesas adversárias.

O Pior: Esta deve ser a última época de Dirk Nowitzki (40 anos e 20 de NBA) aquele que é para mim o melhor jogador europeu de sempre na liga norte-americana de basket. Sai um melhor de sempre entra alguém para a mesma equipa com potencial para ser ainda melhor. O universo encontra sempre um equilíbrio.

Expectativas: Os Dallas são uma mistura fina de veterania (Dirk, DeAndre, Wesley Matthews, Devin Harris, JJ Barea) com vários rookies (Luka Doncic, Jalen Brunson, Ryan Broekhoff, Ray Spalding, Daryl Malcom e o mais recente representante do clã Antetokounmpo, Kostas) e um sophomore que já mostrou ter muito valor (Dennis Smith Jr.). Como o objectivo é dar minutos aos miúdos, e isso se traduz sempre em erros derivados da inexperiência, o resultado custa caro numa conferência com competitividade do Oeste. Na melhor das hipóteses estarão na luta por uma das últimas vagas de playoffs se Luka Dondic for tudo que os europeus esperam que seja (aqui só entre nós que ninguém nos ouve, todos os anos chega um jogador europeu à liga que na Europa todos apregoam que vai rebentar com tudo e depois vai-se a ver e é só jajão, naquilo que eu carinhosamente apelido de “Efeito Ricky Rubio”. O ano passado foi a vez de Teodosic.)


 

#21

Cleveland Cavaliers

 

Dono da equipa: Dan Gilbert

General Manager: Koby Altman

Treinador: Tyronn Lue

Entradas: Sam Dekker, Channing Frye, David Nwaba, Billy Preston (rookie undrafted), Collin Sexton (pick #8 do draft).

Saídas: José Manuel Calderón, Jeff Green, LeBron James, Kendrick Perkins, London Perrantes, Okaro White.

Permanências: Jordan Clarkson, George Hill, Rodney Hood, Kyle Korver, Kevin Love, Larry Nance, Jr., Cedi Osman, J.R. Smith, Tristan Thompson, Ante Zizic.

5 Inicial: George Hill (guard), J.R. Smith (guard), Rodney Hood (forward), Kevin Love (forward), Tristan Thompson (center)

6th Man: Larry Nance Jr. (forward)

O Melhor: Talento coletivo. Com a saída do Lebron James, a continuidade do plantel atual dos Cleveland foi posta em causa. Muitos questionam se o Kevin Love voltará ao estatuto de superstar e assumirá a liderança da equipa. Aos veteranos, adicionaram o rookie Collin Sexton, que é um elemento importante para a renovação da equipa.

O Pior: A falta de Lebron, claro. O sucesso dos Cleveland em 2018-19 está dependente da capacidade dos seus jogadores encontrarem um ponto de equilíbrio ‘pós-Lebron’. Um conjunto que na época passada nunca se conseguiu afirmar como ‘equipa’ (sim foram à final da NBA, obrigado Lebron!).

Expectativas: Luta pela qualificação para aos playoffs. Beneficiados por estarem na conferência Este, os Cavaliers terão a oportunidade de se manter (relativamente) relevantes na luta pelos lugares cimeiros da conferência.


 

#20

Los Angeles Clippers

 

Dono da equipa: Steve Ballmer

General Manager: Michael Winger

Treinador: Doc Rivers

Entradas: Ángel Delgado (undrafted rookie), Shai Gilgeous-Alexander (pick #11 do draft), Marcin Gortat (WAS), Luc Mbah a Moute (HOU), Johnathan Motley (DAL), Jerome Robinson (pick #13 do draft), Mike Scott (WAS)

Saídas: Sam Dekker (CLE), Jawun Evans, Wesley Johnson (NOP), DeAndre Jordan (DAL), Austin Rivers (WAS), C.J. Williams (MIN).

Permanências: Avery Bradley, Danilo Gallinari, Montrezl Harrell, Tobias Harris, BobanMarjanovic, Milos Teodosic, SindariusThornwell, Louis Williams, Patrick Beverley, Tyrone Wallace.

5 Inicial: Patrick Beverley (guard), Avery Bradley (guard), Danilo Gallinari (forward), Tobias Harris (forward), Marcin Gortat (center)

6th Man: Lou Williams (guard)

O Melhor: O equilíbrio do roster. Os Clippers acabaram por perder o mediatismo de LA (que na realidade nunca lhes pertenceu), no entanto, não perderam muita qualidade nesta era pós-Blake Griffin. Com vários jogadores acima da média, é expectável que possamos observar os Clippers a serem competitivos desde já.

O Pior: A propensão dos seus jogadores para as lesões. Não é necessário recordar o historial de Patrick Beverley, Danilo Gallinari e até mesmo a história recente de Milos Teodosic. Vai ser preciso ir à bruxa para que os Clippers se mantenham saudáveis o ano inteiro.

Expectativas: Tendo em conta o calibre da conferência Oeste, os Clippers vão falhar os playoffs. No entanto, isso não significa que não possam ser competitivos até à pausa Allstar. Depois, é perceber as picks que estarão em cima da mesa, as possibilidades de avançarem nos playoffs e delinear a melhor estratégia possível para o presente e futuro do franchise.


 

#19

Charlotte Hornets

 

Dono da equipa: Michael Jordan

General Manager: Mitch Kupchak

Treinador: James Borrego

Entradas: Bismack Biyombo (ORL), Miles Bridges (R), Joe Chealey (R), Devonte’ Graham (R), J.P. Macura (R), Tony Parker (SAS)

Saídas: Michael Carter-Williams (HOU), Treveon Graham (BKN), Dwight Howard (WAS), Mangok Mathiang, Marcus Paige, Julyan Stone

Permanências: Dwayne Bacon, Nicolas Batum, Willy Hernangómez, Frank Kaminsky, Michael Kidd-Gilchrist, Jeremy Lamb, Malik Monk, Kemba Walker, Marvin Williams, Cody Zeller

5 Inicial: Kemba Walker(guard), Nicolas Batum (guard), Michael Kidd-Gilchrist (forward), Marvin Williams (forward), Cody Zeller (center)

6th Man: Jeremy Lamb (guard)

O Melhor: Dwight Howard saiu, o que é sempre um bálsamo para a alma.

O Pior: A equipa continua muito igual, sem grande chama.

Expectativas: Dwight Howard foi despachado para os Wizards, uma medida que, podendo torná-los mais fracos no interior, deverá fazer maravilhas na moral do plantel. Adicionalmente, James Borrego chegou para substituir Steve Clifford numa medida que, espera-se, fará os Hornets jogar um basket mais explosivo e dinâmico. Dito isso, a equipa é essencialmente a mesma. E o que é, é um pouco aborrecido. Os Hornets vão estar mesmo ali na luta pelos playoffs, como todos os anos, mas e depois? Têm alguma expectativa realista de lutar pelo título? Não. Vão ter tão cedo? Nem por isso. Os Hornets vão ter de, eventualmente, fazer sérias mudanças no seu plantel e olhar para o futuro. Neste ano, vamos continuar a ter de ver Kemba Walker a tentar dar alguma chama a uma equipa desinspirada.


 

#18

Detroit Pistons

 

Dono da equipa: Tom Gores

General Manager: ————

Treinador: Dwane Casey

Entradas: Bruce Brown (pick #47 do draft), José Manuel Calderón, Keenan Evans (rookie undrafted), Zach Lofton (rookie undrafted), Zaza Pachulia, Glenn Robinson III, Khyri Thomas (pick #38 do draft).

Saídas: Dwight Buycks, James Ennis, Kay Felder, Reggie Hearn, Eric Moreland, Jameer Nelson, Anthony Tolliver.

Permanências: Reggie Bullock, Andre Drummond, Henry Ellenson, Langston Galloway, Blake Griffin, Reggie Jackson, Stanley Johnson, Luke Kennard, Jon Leuer, Ish Smith.

5 Inicial: Reggie Jackson (guard), Stanley Johnson (guard), Reggie Bullock (forward), Blake Griffin (forward), Andre Drummond (center)

6th Man: Glenn Robinson III (forward)

O Melhor: Novo treinador, novas espectativas. Dwayne Casey (treinador do ano 2017-18 com os Toronto Raptors) traz para os Pistons uma nova mentalidade que os ajudará a melhorar tanto ao nível ofensivo como defensivo.

O Pior: Os Pistons necessitam de mais profundidade no frontcourt. Existem atualmente várias questões sobre como a equipa vai funcionar. Stanley Johnson não é uma ameaça na linha de 3 pontos, o ataque ainda não é forte ofensivamente (tendo sofrido 27 pontos em 46 minutos na pré-época) e a luz verde para o Drummond lançar triplos também não funcionou, com zero triplos em onze tentativas nos últimos jogos.

Expectativas: Qualificação para os playoff. Semelhante às restantes equipas do Este, o gap deixado pelo Lebron James é uma oportunidade para os Pistons se afirmarem na conferência.


 

#17

Miami Heat

 

Dono da equipa: Micky Arison

General Manager: Andy Elisburg

Treinador: Erik Spoelstra

Entradas: Yante Maten (R), Duncan Robinson (R)

Saídas: Luke Babbitt, Jordan Mickey, Derrick Walton

Permanências: Bam Adebayo, Goran Dragic, Wayne Ellington, Udonis Haslem, James Johnson, Tyler Johnson, Derrick Jones Jr., Rodney McGruder, Kelly Olynyk, Josh Richardson, Dwyane Wade, Dion Waiters, Hassan Whiteside, Justise Winslow

5 Inicial: Goran Dragic(guard), Dwyane Wade(guard), Josh Richardson (forward), James Johnson (forward), Hassan Whiteside (center)

6th Man: Justise Winslow (forward)

O Melhor: Consistência. Desde os sólidos talentos no plantel à genialidade estratégica de Erik Spoelstra

O Pior: Falta uma estrela para elevar esta equipa ao próximo nível

Expectativas: Com a saga envolvendo a possível vinda de Jimmy Butler de Minnesota ainda a decorrer, é importante lembrar que os Heat estão na linha da frente para o conseguir. Se isso se verificar, os homens de Miami tornam-se automaticamente mais competitivos na Conferência Este e essencialmente garantem um lugar nos playoffs. Mas isso ainda não aconteceu – e pode muito bem não acontecer. Assim sendo, a equipa de Spoelstra permanece igual ao ano passado. Chatos de derrotar, ferozes defensivamente e com pouca imaginação no ataque. A receita sagrada para lutar por um lugar nos playoffs, mas sem grande esperança de fazer algo mais que, talvez, ganhar uma ronda.


 

#16

Minnesota Timberwolves

 

Dono da equipa: Glen Taylor

General Manager: Scott Layden

Treinador: Tom Thibodeau

Entradas: Luol Deng, Darius Johnson-Odom, James Nunnally, Anthony Tolliver, CJ Williams, Josh Okogie (pick #20 do draft), Keita Bates-Diop (pick #48 do draft), Jared Terrell (undrafted rookie)

Saídas: Cole Aldrich, Nemanja Bjelica, Aaron Brooks, Anthony Brown, Jamal Crawford, Marcus Georges-Hunt, Amile Jefferson

Permanências: Jimmy Butler, Gorgui Dieng, Taj Gibson, Tyus Jones, Justin Patton, Derrick Rose, Jeff Teague, Karl-Anthony Towns, Andrew Wiggins

5 Inicial: Jeff Teague (guard), Andrew Wiggins (guard), Jimmy Butler (forward), Taj Gibson (forward), Karl-Anthony Towns (center)

6th Man: Derrick Rose (guard)

O Melhor: Karl-Anthony Towns já está garantido por mais cinco anos, com um salário estratosférico, mas merecido para a jovem pérola.

O Pior: A saga interminável do descontente — e ainda Timberwolf — Jimmy Butler.

Expectativas: Os Timberwolves terminaram a passada temporada regular em êxtase, ao vencerem o jogo decisivo contra os Denver Nuggets, assegurando assim um lugar nos playoffs depois de uma época positiva liderada por Jimmy Butler. Os playoffs deixaram um mau gosto na boca, e a impressão que as jovens promessas Towns e Wiggins não passam de fogo-de-vista. O líder Jimmy Butler quer sair a todo o custo, e adivinha-se uma época muito conturbada para os Timberwolves no poderoso Oeste.


 

#15

San Antonio Spurs

 

Dono da equipa: Peter Holt

General Manager: R.C. Bufford

Treinador: Gregg Popovich

Entradas: Marco Belinelli (PHI), Dante Cunningham (BKN), DeMar DeRozan (TOR), Drew Eubanks (undrafted rookie), Chimezie Metu (pick #49 do draft), Jakob Pöltl (TOR), Quincy Pondexter, Lonnie Walker (pick #18 do draft)

Saídas: Kyle Anderson (MEM), Matt Costello, Manu Ginóbili, Danny Green (TOR), Darrun Hilliard, Joffrey Lauvergne, Kawhi Leonard (TOR), Tony Parker (CHA), Brandon Paul

Permanências: LaMarcus Aldridge, Davis Bertans, Bryn Forbes, Pau Gasol, Rudy Gay, Patrick Mills, Dejounte Murray, Derrick White

5 Inicial: Patty Mills (guard), DeMar DeRozan (guard), Rudy Gay (forward), LaMarcus Aldridge (forward), Pau Gasol (center)

6th Man: Marco Belinelli (forward)

O Melhor: Por enquanto, não há nada que ponha em causa o estatuto, quase unânime, de melhor organização e staff técnico da NBA, que alcançou ao longo dos últimos 20 anos.

O Pior: Há vários anos que nos perguntávamos quando é que o tempo faria estragos nestes Spurs e parece que finalmente chegou a hora. O ano passado os Spurs caíram logo na primeira ronda dos playoffs contra Golden State, depois de terem passado toda a época órfãos da sua maior estrela, Kawhi Leonard. Para piorar Leonard pediu para sair esta época e foi trocado para Toronto, abrindo as portas a um rebuild em San Antonio. É certo que chegou DeMar DeRozan mas, por mais que este seja bom jogador, não é do calibre de Kawhi. A acrescentar a isto Manu Ginobli, o melhor jogador argentino de sempre, e uma lenda deste franchise, juntou-se a Tim Duncan na reforma, Danny Green partiu para Toronto no negócio de Leonard e Tony Parker rumou a Charlotte. Dos Spurs campeões crónicos e dinásticos sobre apenas Gregg Popovich. Acresce que as estrelas em quem apostaram nos últimos tempos para a renovação desejada (Pau Gasol, Rudy Gay e, sobretudo, LaMarcus Aldrigde) estão a ter rendimentos muito abaixo do que seria expectável.

Expectativas: Estes spurs vão aos playoffs, porque têm um bom conjunto de jogadores, Gregg Popovich e… bem, são os spurs, mas é difícil acreditar que cheguem mais longe do que a época passada. Os olhos dos texanos têm de começar a olhar para o futuro.


 

#14

Washington Wizards

 

Dono da equipa: Ted Leonsis

General Manager: Ernie Grunfeld

Treinador: Scott Brooks

Entradas: Troy Brown (R), Thomas Bryant (LAL), Jeff Green (CLE), Dwight Howard (CHA), Jordan McRae, Austin Rivers (LAC)

Saídas: Tim Frazier (MIL), Marcin Gortat (LAC), Ty Lawson, Chris McCullough, Mike Scott (LAC), Ramon Sessions

Permanências: Bradley Beal, Ian Mahinmi, Jodie Meeks, Markieff Morris, Kelly Oubre, Otto Porter, Tomas Satoransky, Jason Smith, John Wall

5 Inicial: John Wall (guard), Bradley Beal (guard), Otto Porter Jr. (forward), Markieff Morris (forward), Dwight Howard (center)

6th Man: Austin Rivers (guard)

O Melhor: John Wall e Bradley Beal continuam a ser um dos mais talentosos duos em toda a liga.

O Pior: Enquanto escrevo esta linha, é provável que mais um colega de equipa de Dwight Howard esteja a fantasiar com uma bigorna a cair-lhe na cabeça.

Expectativas: No papel, a equipa dos Wizards até é talentosa. John Wall é um dos melhores bases na NBA, Bradley Beal é um shooting guard de enorme talento e Otto Porter Jr. é um extremo de grande potencial. E, vamos ser sinceros, Dwight Howard é um bom bocado melhor que Marcin Gortat. Mas será mesmo a melhor solução para resolver os problemas de um balneário já infame pela discórdia interna? Spoiler alert: não, não é. Isto tem tudo para ser um desastre de proporções épicas. Ainda assim, a diluição de talento a Este torna os Wizards quase automaticamente garantidos nos playoffs, mesmo que os jogadores entrem todos em campo com as mãos nas goelas uns dos outros.


 

#13

New Orleans Pelicans

 

Dono da equipa: Tom Benson

General Manager: Dell Demps

Treinador: Alvin Gentry

Entradas: Trevon Bluiett (undrafted rookie), Wesley Johnson (LAC), Jahlil Okafor (BKN), Elfrid Payton (PHX), Julius Randle (LAL), Kenrich Williams (undrafted rookie), Troy Williams (NYK)

Saídas: Alexis Ajinca, Charles Cooke, DeMarcus Cousins (GSW), Jordan Crawford, DeAndre Liggins, Emeka Okafor, Rajon Rondo (LAL)

Permanências: Ian Clark, Anthony Davis, Cheick Diallo, Solomon Hill, Jrue Holiday, Frank Jackson, Darius Miller, Nikola Mirotic, E’Twaun Moore

5 Inicial: Jrue Holiday (guard), E’Twaun Moore (guard), Nikola Mirotic (forward), Julius Randle (forward), Anthony Davis (center)

6th Man: Elfrid Payton (guard)

O Melhor: Mirotic, Randle e AD não são um big three, nem de perto, nem de longe, no máximo serão um Big One + 2, como os apartamentos, mas são sem margem para dúvidas um dos melhores frontcourts da liga.

O Pior: Saiu DeMarcus Cousins e não há forma de substituir o melhor poste da liga. Simplesmente não há.

Expectativas: Todos vaticinaram a morte dos Pelicans o ano passado quando o gigante DeMarcus Cousins, que estava a fazer uma época com números estratosfericos, se lesionou, mas Alvin gentry foi esperto o suficiente para dar a volta a isso e reinventar Mirotic (se bem que contou com a ajuda do “Playoff Rondo”). Este ano não há Cousins desde o início, mas há Randle, um ainda jovem power forward que tem de provar que mereceu toda a atenção que teve quando os Lakers o foram buscar com a sétima pick do draft e foi considerado um steal. Seja como for, têm equipa suficiente para garantir mais uma ida aos playoffs e depois disso o Céu é o limite. E por céu quero dizer a primeira ronda dos playoffs, para mais que isso não deve mesmo dar. Lamento se vos entusiasmei.


 

#12

Denver Nuggets

 

Dono da equipa: Ann Walton Kroenke

General Manager: Arturas Karnisovas

Treinador: Mike Malone

Entradas: Isaiah Thomas, Michael Porter Jr. (pick #14 do draft), Jarred Vanderbilt (pick #41 do draft), Thomas Welsh (pick  #58 do draft), DeVaughn Akoon-Purcell (undrafted rookie)

Saídas: Kenneth Faried, Wilson Chandler, Darrell Arthur, Devin Harris, Richard Jefferson

Permanências: Will Barton, Malik Beasley, Torrey Craig, Gary Harris, Juancho Hernangomez, Nikola Jokic, Tyler Lydon, Trey Lyles, Paul Millsap, Monte Morris, Jamal Murray, Mason Plumlee

5 Inicial: Jamal Murray (guard), Gary Harris (guard), Will Barton (forward),Paul Millsap (forward), Nikola Jokic (center)

6th Man: Isaiah Thomas (guard)

O Melhor: O virtuosismo do center Nikola Jokic.

O Pior: A defesa interior.

Expectativas: Um ano crítico para os Nuggets, que falharam os playoffs no ano anterior por uma unha negra e procuram provar a qualidade do seu núcleo jovem. Jokic é um dos jogadores mais interessantes de ver em toda a NBA, com uma capacidade de passe e lançamento impressionantes para alguém com 2,13m, mas tem de melhorar muito a sua proteção do cesto no lado defensivo. Este ano contará com a ajuda do determinado Isaiah Thomas, para além dos habituais Jamal Murray e Gary Harris. Deverá ser suficiente para darem o passo em frente e chegar aos playoffs.


 

#11

Portland Trail Blazers

 

Dono da equipa: Paul Allen

General Manager: Neil Olshey

Treinador: Terry Stotts

Entradas: Seth Curry, Nik Stauskas, Anfernee Simons (pick #24 do draft), Gary Trent Jr (pick #37 do draft)

Saídas: Pat Connaughton, Ed Davis, Shabazz Napier, Georgios Papagiannis, CJ Wilcox

Permanências: Al-Farouq Aminu, Wade Baldwin, Zach Collins, Moe Harkless, Jake Layman, Meyers Leonard, Damian Lillard, CJ McCollum, Jusuf Nurkic, Caleb Swanigan, Evan Turner

5 Inicial: Damian Lillard (guard), CJ McCollum (guard),Moe Harkless (forward), Al-Farouq Aminu (forward), Jusuf Nurkic (center)

6th Man: Zach Collins (center)

O Melhor: Lillard e McCollum ainda são exímios no lançamento de três pontos

O Pior: A nuvem negra da época passada, depois de uma varridela (4-0) nos playoffs

Expectativas: Há muito que se discute a necessidade de trocar uma das estrelas do backcourt de Portland por mais ajuda nas posições de extremo ou poste. A eliminação chocante às mãos dos menos cotados Pelicans só veio agravar essas preocupações. Este ano os Blazers deverão chegar novamente aos playoffs, mas será muito difícil passarem da primeira ronda.


 

#10

Indiana Pacers

 

Dono da equipa: Herbert Simon

General Manager: Chad Buchanan

Treinador: Nate McMillan

Entradas: Tyreke Evans, Aaron Holiday (pick #23 do draft), Alize Johnson (pick #50 do draft), Doug McDermott, Kyle O’Quinn.

Saídas: Trevor Booker, Al Jefferson, Alex Poythress, Glenn Robinson III, Lance Stephenson, Joseph Young.

Permanências: Ike Anigbogu, Bojan Bogdanovic, Darren Collison, Cory Joseph, T.J. Leaf, Victor Oladipo, Domantas Sabonis, Myles Turner, Thaddeus Young, Ben Moore.

5 Inicial: Darren Collison (guard), Victor Oladipo (guard), Tyreke Evans (forward), Thaddeus Young (forward), Myles Turner (center)

6th Man: Domantas Sabonis (center)

O Melhor: Uma das equipas mais fortes do Este. Apesar de uma pré-época muito abaixo do esperado, os Indiana são uma equipa experiente e já habituada a competir ao mais alto nível

O Pior: Uma pré-época inconsistente deu sinais de algumas fragilidades nos Indiana, nomeadamente, a defesa. As aquisições ainda conseguiram encontrar o seu lugar na equipa.

Expectativas: É espectável que os Indiana estejam presentes na luta pelas quatro primeiras posições no topo da conferência Este.


 

#9

Los Angeles Lakers

 

Dono da equipa: JeanieBuss

General Manager: Rob Pelinka

Treinador: Luke Walton

Entradas: Michael Beasley (NYK), Isaac Bonga (pick #39 do draft), LeBron James (CLE), JaValeMcGee (GSW), SviMykhailiuk (pick #47 do draft), Rajon Rondo (NOP), Lance Stephenson (IND), Moritz Wagner (pick #25 do draft).

Saídas: Thomas Bryant (WAS), Luol Deng (MIN), Tyler Ennis, Channing Frye (CLE), Andre Ingram, Brook Lopez (MIL), Gary Payton II, Julius Randle (NOP), Isaiah Thomas (DEN).

Permanências: Lonzo Ball, Kentavious Caldwell-Pope, Josh Hart, Brandon Ingram, Kyle Kuzma, Ivica Zubac.

5 Inicial: Lonzo Ball (guard), Caldwell-Pope (guard), Brandon Ingram (forward), Lebron James (forward), JaVale McGee (center)

6th Man: Kyle Kuzma (forward)

O Melhor: O melhor jogador da liga agora mora aqui. Lebron James conduz consigo a competitividade que tem vindo a faltar aos Lakers nos últimos anos e, como tal, tem de ser destacado como o “melhor” desta equipa. O potencial da juventude presente no roster vem logo a seguir.

O Pior: Egos e feitios. Não é preciso recordar que Rajon Rondo, Michael Beasley, Lance Stephenson e até o próprio Lebron James não são propriamente personalidades fáceis de lidar. Os Lakers têm a particularidade de possuírem potencial para serem espetaculares e, ao mesmo tempo, desastrosos.

Expectativas: Playoffs. O acesso à postseason é, este ano, obrigatório e definidor do sucesso para os Lakers. O desempenho que farão depois disso acaba por ser acessório numa conferência tão robusta como a Oeste, mas chegar lá é o primeiro passo para voltar a trazer alegrias aos fãs e, quem sabe, uma nova estrela no próximo ano.


 

#8

Philadelphia’76ers

 

Dono(s) da equipa: Joshua Harris e David Blitzer

General ManagerBryan Colangelo

Treinador: Brett Brown

Entradas: Jonah Bolden (rookie), Wilson Chandler, Shake Milton (rookie), Mike Muscala, LandryShamet (rookie), Zhaire Smith (rookie)

Saídas: Justin Anderson, Marco Belinelli, Richaun Holmes, Ersan Ilyasova, Timothe Luwawu

Permanências: Jerryd Bayless, Robert Covington, Joel Embiid, Markelle Fultz, Amir Johnson, Furkan Korkmaz, J.J. Redick, Dario Saric, Ben Simmons, T.J. McConnel

5 Inicial: Ben Simmons (guard), J.J. Redick (guard), Robert Covington (forward), Dario Saric (forward), Joel Embiid (center)

6th ManMarkelle Fultz (guard)

O Melhor: A jovem guarda dos 76ers acabou na terceira posição da Conferência Este na temporada passada. Todo o mundo se manteve razoavelmente saudável, com excepção de Markelle Fultz, que voltou no fim da temporada. Este ano, estão prontos para confirmar todo o bem que pensamos deles. E com LeBron fora do quadro, podemos dizer que os debates se equilibraram. #VaiVir!

O Pior: Esta equipa é muito jovem e inexperiente. Aceder à meia final do Este foi excelente. Mas com Boston em plena força ou os Raptors com um Kawhi sedento de mostrar o que vale… Philly vai ter que esperar…

Expectativas: Philly acordou. Philly voltou aos playoffs. Philly tem um dos baskets mais excitantes da liga e alguns dos jogadores mais electrifying da liga. Esta equipa tem tudo para correr bem e tornar-se uma dinastia que dure. O frontoffice trabalhou bem, a enfermaria está vazia, esperamos o melhor desta equipa repleta de talento. Reeditar a temporada passada seria fantástico, melhorar seria a cereja no topo de um bolo delicioso do qual não perderemos uma fatia.


 

#7

Milwaukee Bucks

 

Dono da equipa: Wes Edens, Marc Lasry e Jamie Dinan

General Manager: Jon Horst

Treinador: Mike Budenholzer

Entradas: Pat Connaughton, Donte DiVincenzo (pick #17 do draft), Trevon Duval (rookie undrafted), Ersan Ilyasova, Brook Lopez, Jaylen Morris, Christian Wood

Saídas: Brandon Jennings, Shabazz Muhammad, Xavier Munford, Jabari Parker, Marshall Plumlee, Jason Terry, Tyler Zeller

Permanências: Giannis Antetokounmpo, Eric Bledsoe, Malcolm Brogdon, Sterling Brown, Matthew Dellavedova, John Henson, Thon Maker, Khris Middleton, Tony Snell, D.J. Wilson

5 Inicial: Eric Bledsoe (guard), Tony Snell (guard), Khris Middleton (forward), Giannis Antetokounmpo (forward), Brook Lopez (center)

6th Man: John Henson (guard)

O Melhor: Ataque. Como esperado, os Milwaukee, liderados pelo ‘Greek Freak’ Giannis, é uma das equipas mais excitantes do Este. Com várias mudanças no plantel, têm um dos ataques mais fortes da liga. Giannis Antetokounmpo está projetado como candidato a MVP 2018-19.

O Pior: Defesa. Os Milwaukee têm dificuldades face a equipas fortes no jogo interior, tendo permitido aos oponentes uma percentagem enorme de pontos interiores. Enquanto a liga ‘lança’ de cada vez mais longe, o jogo interior continua a ser a forma mais eficaz de marcar (1.26 pontos por tentativa).

Expectativas: É esperado que os Milwaukee compitam com Celtics e Raptors pelo domínio to Este.


 

#6

Utah Jazz

 

Dono da equipa: Gail Miller

General Manager: Dennis Lindsey

Treinador: Quin Snyder

Entradas: Tyler Cavanaugh, Naz Mitrou-Long, Grayson Allen (pick #21 do draft)

Saídas: Jonas Jerebko, Erik McCree, David Stockton

Permanências: Tony Bradley, Alec Burks, Jae Crowder, Dante Exum, Derrick Favors, Rudy Gobert, Joe Ingles, Donovan Mitchell, Raul Neto, Georges Niang, Ricky Rubio, Thabo Sefolosha, Ekpe Udoh, Royce O’Neale

5 Inicial: Ricky Rubio (guard), Donovan Mitchell (guard) ,Joe Ingles (forward), Derrick Favors (forward), Rudy Gobert (center)

6th Man: Jae Crowder (forward)

O Melhor: A explosão de Donovan Mitchell

O Pior: Falta de uma terceira estrela para complementar Mitchell e Gobert.

Expectativas: Os Utah Jazz são uma das últimas equipas da NBA a jogar sem um stretch-four, ou seja, um power-forward que consiga lançar de três pontos consistentemente. De modo a que se tornem verdadeiros contenders necessitarão de mais poder de fogo. Ainda assim, será espectacular assistir à evolução do brilhante Donovan Mitchell que poderá ser All-Star pela primeira vez.


 

#5

Oklahoma City Thunder

 

Dono da equipa: Clay Bennett

General Manager: Sam Presti

Treinador: Billy Donovan

Entradas: Timothe Luwawu, Abdel Nader, Nerlens Noel, Dennis Schroder, Hamidou Diallo (pick #45 do draft), Tyler Davis (undrafted rooke), Deonte Burton (undrafted rooie)

Saídas: Carmelo Anthony, Corey Brewer, Nick Collison, PJ Dozier, Daniel Hamilton, Josh Huestis, Dakari Johnson, Kyle Singler

Permanências: Alex Abrines, Steven Adams, Raymond Felton, Terrance Ferguson, Paul George, Jerami Grant, Patrick Patterson, Andre Roberson, Russell Westbrook

5 Inicial: Russell Westbrook (guard), Andre Roberson (guard), Paul George (forward), Jerami Grant (forward), Steven Adams (center)

6th Man: Dennis Schroder (guard)

O Melhor: A renovação inesperada de Paul George

O Pior: Falta de lançadores exteriores

Expectativas: O panorama em Oklahoma City é muito positivo, depois de Paul George ter renovado contrato ao invés de assinar pelos Lakers, como seria de esperar. Carmelo Anthony já não faz parte da equipa e isso poderá a ajudar a abrir o jogo dos Thunder, que terão um banco mais apresentável depois das chegadas de Dennis Schroder e Nerlens Noel. Espera-se mais uma época a incomodar os líderes do Oeste, e com alguma sorte mais que isso.


 

#4

Toronto Raptors

 

Dono(s) da equipa: Maple Leaf Sports & Entertainment, Ltd. (MLSE)

General ManagerMasai Ujiri

Treinador: Nick Nurse

Entradas: Chris Boucher, Danny Green, Kawhi Leonard, Jordan Loyd (rookie), Greg Monroe

Saídas: DeMar DeRozan, Alfonzo McKinnie, Malcolm Miller, Lucas Nogueira, Jakob Pölt

Permanências: OG Anunoby, Serge Ibaka, Kyle Lowry, C.J. Miles, Norman Powell, Malachi Richardson, Pascal Siakam, Jonas Valanciunas, Fred VanVleet, Delon Wright, Lorenzo Brown

5 Inicial: Kyle Lowry (guard), Danny Green (guard), Kawhi Leonard (forward), Serge Ibaka (forward), Jonas Valanciunas (center)

6th ManGreg Monroe (center)

O Melhor: Kawhi. Fucking. Leonard. Qualquer equipa com este senhor a jogar a sério vê-se seriamente melhorada

O Pior: A saída de Dwayne Casey. Por mais que o queiram culpar pelo “insucesso” da equipa (first seed do Este, fora dos playoffs na meia final de conferencia face aos Cavs de LeBron… há malta EXIGENTE!), o seu título de COY foi mais do que merecido. A sua demissão… bem… enfim…

Expectativas: LeBron James foi para o Oeste. E de repente, tudo parece possível para todo o mundo… Mas para Toronto, que teve o actual nº23 dos Lakers como carrasco dois anos seguidos, isto soa como uma libertação! Com um jogador do calibre de Kawhi, Greg Monroe a tentar relançar a sua carreira, Danny Green e a sua contribuição nos lançamentos exteriores, Kyle Lowry completamente liberado… Este ano pode correr muito bem a esta equipa. Top 3 da Conferência sem sombra de dúvidas, os playoffs vão voltar a ser a espada de Dâmocles em cima desta equipa ambiciosa…


 

#3

Houston Rockets

 

Dono da equipa: Tilman Fertitta

General Manager: Daryl Morey

Treinador: Mike D’Antoni

Entradas: Carmelo Anthony (OKC), Michael Carter-Williams (CHA), Marquese Chriss (PHX), Gary Clark (undrafted), Vincent Edwards (pick #52 do draft), James Ennis (DET), Isaiah Hartenstein (undrafted), Brandon Knight (PHX)

Saídas: Ryan Anderson (PHX), Trevor Ariza (PHX), Tarik Black, Markel Brown, R.J. Hunter, Aaron Jackson, Joe Johnson, Luc Mbah a Moute (LAC), Chinanu Onuaku

Permanências: Clint Capela, Eric Gordon, Gerald Green, James Harden, Nene Hilario, Chris Paul, P.J. Tucker, Zhou Qi

5 Inicial: Chris Paul (guard), James Harden (guard), Carmelo Anthony (forward), P.J. Tucker (forward), Clint Capela (center)

6th Man: Eric Gordon (guard)

O Melhor: Carmelo Anthony. Ou melhor, conseguiram juntar Carmelo Anthony a um elenco que já era de luxo. Há um novo Big Three no Oeste (já perdi a conta a quantos são). Carmelo, Harden e CP3 são uma triple threat que, com toda a certeza, vai discutir, pelo menos, um lugar nas finais de conferência.

O Pior: Carmelo Anthony. Se é certo que o veterano small forward é uma estrela e um inegável marcador de pontos, também é certo que até agora falhou em todas as equipas por onde passou na tarefa de ser o homem que necessitavam para atingir outros patamares. Para além disso veio de um outro Big Three no Oeste (eu não digo que se sucedem?) que falhou redondamente. Todos culpavam Russell Westbrook por esse falhanço (fucking haters!), mas a decisão de renovação de contrato de Paul George parece indicar uma história diferente. Talvez fosse melhor para Carmelo começar a sair do banco para fazer os seus pontos, solução que não lhe agradou em Oklahoma, e deve continuar sem agradar em Houston, uma equipa que não é conhecida pelo seu acerto defensivo e que com Carmelo a jogar muitos minutos só promete piorar nesse capítulo.

Expectativas: Houston está num local muito ingrato. É uma excelente equipa, mas compete com aquela que é, muito provavelmente, a melhor equipa alguma vez feita na história da modalidade (seleções não incluídas), os Golden State Warriors. É difícil perceber o que pode esta equipa fazer mais para bater os Warriors em séries à melhor de sete. Arriscaram tudo em jogadores de potencial controverso e elevado grau de risco para tentar lá chegar. Será suficiente?

 

 

 

Spoiler alert: NÃO!


 

#2

Boston Celtics

 

Dono(s) da equipa: Boston BasketballPartners L.L.C.

General ManagerDanny Ainge

Treinador: Brad Stevens

Entradas: P.J.Dozier, Walter Lemon Jr., Brad Wanamaker (rookie), Robert Williams (rookie)

Saídas: Kadeem Allen, Jonathan Gibson, Shane Larkin, Greg Monroe, Abdel Nader

Permanências: Aron Baynes, Jabari Bird, Jaylen Brown, Gordon Hayward, Al Horford, Kyrie Irving, Marcus Morris, Semi Ojeleye, Terry Rozier,  Marcus Smart, Jayson Tatum, Daniel Theis, Guerschon Yabusele

5 Inicial: Kyrie Irving (guard), Jaylen Brown (guard), Gordon Hayward (forward), Marcus Morris (forward), Al Horford (center)

6th ManJayson Tatum (forward)

O Melhor: Kyrie Irving e Gordon Hayward estão de volta. Kyrie Irving e Gordon Hayward estão de volta.O facto é de tal importância que merece ser repetido. Pouco movimento no core da equipa, mas a volta (e permanência saudável) destes dois jogadores pode fazer a diferença no caminho para a Final.

O Pior: O ano passado pensou-se que o banco era fraco. Sem as duas estrelas, os suplentes mostraram-se à altura do desafio. Serão eles (em particular Terry Rozier e Jayson Tatum, brilhantes a época passada) capazes de voltar a um papel secundário? Tendo isto sido dito, quem dera a muitas equipas ter problemas destes…

Expectativas: Em equipa que ganha, não se mexe. E a equipa de Boston 2018 foi até à Final de Conferência Este, onde perdeu contra um LeBron James em estado de graça. Agora que o ogre se mudou para o Oeste, não vemos bem quem possa impedir esta equipa – à condição de se manter saudável – de chegar à Final da NBA. Os concorrentes mais sérios (Toronto Raptors e Philadelphia 7ers) estão muito bons, mas ainda não me parecem poder rivalizar com estes Celtics. Caso não tenhamos ainda referido, Kyrie Irving e Gordon Hayward estão de volta à equipa. Em forma. Prontos para jogar.


 

#1

Golden State Warriors

 

Dono da equipa: Joseph S. Lacob e Peter Guber

General Manager: Bob Myers

Treinador: Steve Kerr

Entradas: DeMarcus Cousins (NOP), Marcus Derrickson (undrafted rookie), Jacob Evans (pick #28 do draft), Jonas Jerebko (UTA), Damion Lee (ATL), Alfonzo McKinnie (TOR)

Saídas: Chris Boucher (TOR), JaVale McGee (LAL), Zaza Pachulia (DET), David West, Nick Young,

Permanências: Jordan Bell, Quinn Cook, Stephen Curry, Kevin Durant, Draymond Green, Andre Iguodala, Damian Jones, Shaun Livingston, Kevon Looney, Klay Thompson

5 Inicial: Stephen Curry (guard), Klay Thompson (guard), Kevin Durant (forward), Draymond Green (forward), DeMarcus Cousins* (center)

6th Man: Andre Iguodala (forward)

O Melhor: Torna-se difícil destacar o melhor de uma equipa que tem tudo para revalidar o título de campeão esta temporada. Tem o melhor 5 inicial da liga, de forma evidente, com 5 potenciais Allstars. Apesar da lesão de DeMarcus Cousins que o impossibilitará de jogar no imediato, não há matchup nenhum capaz de fazer frente a todo este poderio.

O Pior: O banco. AndreIguodala está mais velho, não defende como outrora. Depois apenas há alternativas como Jordan Bell, Jonas Jerebko, Shaun Livingston ou Kevon Looney. Parece curto e poderá ser um problema se eventualmente as lesões flagelarem o roster.

Expectativas: A incerteza não será saber se os Warriors serão campeões, a expectativa é realmente perceber por quanto vão ganhar a final, 4-0? 4-1? 4-2?

 

Pedro Filipe

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE