January 22, 2020

A Austrália…

A Austrália…

A Austrália amigos…

Bem, enfim a Austrália, minha gente!

 

A Austrália e o seu Open de Ténis de 2016, que é sobre o que vamos falar daqui em diante. Podíamos falar de outras coisas giras que aconteceram antes do Open da Austrália de 2016, como p.e.

ou

 

ITO AQUI‘ (uma iniciativa nova no Ténis, adaptada das boas maneiras do… cricket, pois claro!

Como é bom de ver, há os favoritos do costume para esta saison com a tónica do… costume. Djokovic já enfardou em Nadal como mandam as velhas regras (superou mesmo o maiorquino no head-to-head entre ambos) e entra para este Slam inaugural como vencedor antecipado que por acaso ainda tem de jogar um joguito ou sete.

O sorteio deu-lhe um quadro simpático até aos quartos-de-final… aí pode aparecer um Kei Nishikori a dar-lhe mais trabalho. Na sua metade do quadro – que chatice pá, porque é que não lhe dão já o caneco?! – estão também Berdych, o tenista da casa Nick “Kokkinakis Banged Your Girlfriend” Kyrgios e um tal de…

Um miúdo que dizem que joga umas coisas e tal!

 

No quadro masculino, diga-se o que se disser, Djokovic e Murray partem na linha da frente. O Sérvio está num pico de forma invejável e o Escocês quer, para variar, ser feliz em Melbourne. Já lá perdeu quatro finais, uma frente a Federer e três contra Djokovic.

Dos home boys, Lleyton Hewitt lembrou-se, em ano de despedida dos courts, de roubar os holofotes ao resto dos seus compatriotas. Com relativo sucesso. O site oficial do torneio dedicou-lhe inclusivamente um vídeo com o título ‘Lleyton Hewitt’s global tribute’… é indiscutível que o Australiano fez algumas coisas giras pelo Ténis. Mas não é menos verdade que, para o puto encantado por saber como fazer uma pega de serviço em condições, Lleyton Hewitt representa pouco mais para a Modalidade do que…

Epá, este miúdo outra vez. Que chatiiice!

De Espanha, teremos uma primeira ronda daquelas ‘publicitárias’ (estilo o rematch que fizeram entre Mahut e Isner em Wimbledon só para ver se eles jogavam novamente durante 3 semanas…), que vai opor Rafa Nadal a Fernando Verdasco. É sabido que ambos os jogadores já nos deram jogos do caraças em Melbourne. E também toda a gente sabe que cada vez que Verdasco ganha a Nadal nunca ganha o jogo seguinte. Acontece com outros jogadores do circuito ATP (e também do WTA) mas com Verdasco é incrível: vitória-incrível-rebentou-setodo-pontosdavida > derrota-contra-um-coxo-Americano-qualquer > a la sardanisca, Nando!

O resto da Spanish Armada (que há uns anos metia mais respeito) este ano leva também um David Ferrer (possível adversário de Murray na 2ª Ronda e sempre um traquinas em hard courts), Pablo Carreno Busta (um puto de Gijón que já passou um ano entre jogar ténis e ir aos aseos, tudo para pagar as contas e subir no ranking; defronta Kyrgios na ronda inaugural), Feliciano López aguarda e Andujar aguardam qualifiers. Garcia-Lopez é que já sabe que vai encontrar Paul-Henri Mathieu, naqueles encontros de court ‘meio-cheio’. Que, sendo no Aussie, arriscam-se a durar para cima de um programa de debate futebolístico.

Falta falar de Wawrinka (vencedor em 2014), que defronta o velhadas e sabichão Tursonov na primeira ronda.

Outros jogos giros de 1ª Ronda:

Tsonga x Baghdatis (ex-finalistas do Aussie)

Sousa x Kukushkin (o Nosso João vai ao lume tentar desempatar o 1-1 do frente-a-frente!)

Isner x Janowicz (média de alturas de filhotes de Godzilla, deve ser bonito deve…)

Monfils x qualifier (Monfils é daqueles obrigatórios de se ver, SEMPRE!)

Federer x Basilashvili (o tal miúdo pá… lá está ele!)

Daniel x Rosol (o nosso tributo ao Jogador Japonês Standard; fica sempre bem mostrar o lado Asia/Pacific do Open da Austrália, à falta do Jogador Comum do Taipé, que não encontrámos no sorteio ATP)

 

e podemos fechar a loja no que aos ‘Homes’ diz respeito.

 

Agora…

Enquanto Larcher de Brito grita pelo qualifying a ver se chega à ronda onde já estão nomes como os de Serena, Venus, Sara, Agnieszka, Maria, Victoria, Daniela, Roberta, Dominika, Svetlana, Ana, Ekaterina, Jelena, Garbiñe, Oceane (há sempre uma jovem Francesa… esta é daquelas tão sagradas como vitória improvável > derrota em jogo seguinte; repitam connosco, HÁ SEMPRE UMA JOVEM FRANCESA EM CADA GRAND SLAM QUE PASSA), falta apenas dizer que Sloane Stephens, Simona Halep e Petra Kvitova são das poucas atletas que aguardam Michelle. Michelle ou outra qualifier qualquer. Pode ser a Michelle ou a Maryna por exemplo…

Serena é a conversa do costume… isto de ganhar no Ténis para ela é como

e ainda por cima encontrará (se tudo não correr como aquelas suas 1ªs Rondas que ninguém entende) uma tal de Maria Sharapova nos quartos. Too easy, mate!

Serena estreou-se nisto dos Grand Slams precisamente em Melbourne e procura o seu 22º título. Não se sabe quem lhe pode dar boa réplica pois dizem que anda tudo meio lesionadito. Sharapova com problemas (bracinho). Halep (tendãozeco de Aquilesinho). Muguruza (pézito). A julgar pelos resultados anteriores – que em nada são barómetro, muito menos para o Aussie! – Sloane Stephens e Azarenka são das poucas atletas prontas para começar sem dói-dóis no corpozito. Ah… Stephens lesionou-se em Hobart, pois ééé! Eish! E a Serena também dizem que está contundida. Bah…

Apostamos fielmente em Serena Williams para ganhar o torneio Feminino. Já cansa. Tem de ser. Graf já aprovou (“it hass to be made you’re going zu du it, Ja?!”), falta a menina Serena completar a tarefa.

Quanto ao sorteio do Torneio de Pares, estará disponível no site do torneio a partir de Domingo.

Quantos aos jogos, acompanhem o melhor possível (porque a diferença horária agora é de… bem, naquela zona já é Sábado, só em Perth e outras da costa ocidental é que ainda é Sexta-Feira!) a partir da próxima Segunda-Feira e, se estiverem nas redondezas, já sabem

QUERO DOIS BILHETES DE SÓCIO Ó FÁXAVOR

Manuel Tinoco de Faria

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE