December 5, 2019

 

No dia 13 de Maio deste ano o Benfica venceu o Vitória Sport Clube e sagrou-se campeão nacional de futebol masculino sénior. Pela quarta vez consecutiva, tendo conseguido alcançar um inédito (na sua história) Tetracampeonato. No dia  28 desse mesmo mês de Maio o Benfica encontrou novamente o Vitória, desta vez no Jamor para disputar a final da Taça, e alcançou a dobradinha.

 

Repito, isto aconteceu tudo em Maio deste ano e, pouco mais de dois meses volvidos sobre estes acontecimentos, a minha expectativa para a nova época está em mínimos históricos, pelo que cumpre perguntar,

 

O que passou-se?

 

Esqueçam os “escândalos” dos emails e mais não sei quê, isso são fait-divers para vender jornais quando a bola não rola no campeonato (por mais que haja mais desportos e selecções de futebol em acção durante todo o verão, em Portugal todos sabemos que só se vende se o assunto tocar aos “três grandes”), isso nem me fez levantar a sobrancelha. A única coisa boa que resultou daí foi mesmo isto que segue em baixo.

 

 

O que me preocupa é o que veio a seguir. As já tradicionais e necessárias vendas dos nossos mais valiosos activos. Sai Ederson – o guarda-redes titular -, sai Nélson Semedo – o lateral direito titular -, e sai Lindelof – um dos centrais titulares. O Benfica perde três titulares indiscutíveis do seu sector mais recuado. A única coisa que podia piorar uma situação já em si preocupante, era fazermos o que fizemos para substituir aquelas perdas: absolutamente nada!

 

Para ver estes dois juntos a partir de agora só em imagens de arquivo

 

Para a baliza chegou Bruno Varela, o titular da Selecção Sub21 portuguesa. O mesmo que o Benfica tinha dispensado a custo zero apenas um ano antes, pelo que tivemos de pagar 100 mil euros para ir resgatar um jogador que há um ano era nosso. Se no campo da gestão isto é brilhante, no campo desportivo a aposta em Bruno Varela para titular da baliza está longe de ser consensual, ainda mais porque os jogos de preparação não deram boas indicações a ninguém. Nem ao Bruno, nem a nós. Posto isto, parece que o Benfica continua a tentar comprar um guarda-redes para esta época, até porque a condição física de Júlio César é outra incógnita já há alguns anos. Hoje por exemplo é certo que fica de fora. Espero que seja o jogo da consagração do Bruno, tal como aquele em Alvalade foi para o Ederson. Se há defesa que o pode fazer brilhar é a nossa! Senão vejamos…

 

O que se espera de Bruno Varela é que faça isto mesmo, dê o salto.

 

A meio da época passada o Benfica concretizou um namoro antigo e acertou a vinda em definitivo de Pedro Pereira, o antigo defesa direito da Sampdoria, de apenas 19 anos, e com o selo de qualidade das escolas do… Benfica (vejo aqui um padrão). Pedro Pereira poucas ou nenhumas oportunidades teve na época passada, em parte devido à grande temporada que fez Nélson Semedo, mas deveria ser uma aposta certa para esta época, certo? Bem, parece que não. Aparentemente não convence/convenceu os responsáveis, fez apenas um jogo pelo plantel principal e vai começar a época ao serviço da equipa B, fazendo assim o percurso inverso ao de Aurélio Buta, outro miúdo que deu o salto para a piscina dos adultos sem sabermos bem se está pronto para nadar. Alex Pinto é a terceira cara nova para a posição. Chegou da equipa B do nosso adversário de hoje, mas, tal como Pedro Pereira, vai para a equipa B, o que faz com que a equipa B tenha mais opções válidas para disputar o lugar à direita da defesa que a principal onde parece restar a mesma de sempre em casos que tais: o Almeidinhos.

 

André Almeida, capitão, lateral esquerdo/direito, central, médio-defensivo, médio centro e pau para toda a obra.

 

À esquerda nada de novo, ficaram as mesmas caras do ano passado, o explosivo Grimaldo que todos esperamos possa estar apto a época toda, o tricampeão nacional, campeão europeu, rei das lambretas, dos memes e sucessor de Pedro Pauleta como maior bandeira futebolística dos Açores, Eliseu, que renovou por uma época, e Hermes, o brasileiro que tem nome do Deus mensageiro do Olimpo, e deve cumprir exactamente esse função esta época na Luz, a de mensageiro. “Zivko, o mister mandou aquecer que vais entrar”, “Carillo e Filipe Augusto, cuidem que está a chegar o minuto Mendes um dos dois vai entrar para valorizar”, “Senhora da cozinha o Eliseu mandou dizer que a picanha dele é mal passada”. Assim se fazem carreiras.

 

Grimaldo aponta a Hermes onde vai esta toda a época. Ali, lá longe, bem afastado dos relvados.

 

O sector mais frágil da equipa é mesmo o miolo da defesa. Jardel parece ter desaprendido. Luisão é o mesmo da época passada, mas com mais um ano nas pernas. Kalaica é o mesmo da época passada, com mais idade, mas sem mais um ano de futebol nas pernas, Lisandro ora marca golos decisivos, e parece fundamental, ora se lesiona e parece que vamos desesperar pela sua ausência, ora joga com regularidade e nos faz questionar “porque raio ansiávamos mesmo pelo seu regresso”. Há uma certa bipolaridade nas exibições do argentino que se reflecte nos adeptos. Para fechar temos Rubén Dias, um dos pilares da defesa da nossa equipa B do ano passado, que ainda é jovem (20 anos) precisa de maturar e foi um verdadeiro talismã de pré-época com três jogos em que participou (90 minutos contra o Leipzig, 30 contra o Hull e 17 contra o Arsenal) e o mesmo número de derrotas (onde está o Nhaga quando precisamos dele?). Ou seja, ou vem alguém para ser titular DE CARAS ao lado de Luisão, ou Jardel recupera os índices competitivos de há duas épocas, ou Lisandro faz o que ainda não conseguiu fazer desde 2013 (custa a crer que já chegou há tanto tempo, não custa?) e se afirma como o central que esperamos, mas cada vez mais duvidamos que seja, isto vai correr MUITO MAL.

 

Esta foto está da cor do futuro do Benfica se não chegarem reforços para a defesa, rapidamente e em força.

 

No meio-campo a equipa parece ter mais e melhores soluções. Não saiu ninguém digno de nota, nem aqueles que todos torciam para que saíssem (Carrillo e Filipe Augusto estou-vos a piscar o olho. Wink. Wink) regressou o emprestado (ao Vitória Futebol Clube) João Carvalho, pelo talento que tem e como prémio daquele golo marcado ao Porto no Dragão o ano passado, que nos permitiu receber os azuis-e-brancos na Luz ainda líderes do campeonato, chegaram os jovens Krovinovic (ex-Rio Ave), Chrien (ex-Plzen), Diogo Gonçalves (promovido da equipa B) e Willock, este último com mais buzz mediático por ter vindo do Arsenal.

 

Carrillo num treino a pares com um colega do seu nível técnico-táctico.

 

Para a frente de ataque, a região do terreno onde mais activos valiosos e equivalentes em valor temos, chegou o único reforço que deve começar a época a titular, o suíço Seferovic, o que deve ditar, com quase toda a certeza, a saída de Mitroglu ou de Raúl Jimenez (ou mesmo de ambos, na pior das hipóteses).

 

Se o jogo de Seferovic for tão aprumadinho como a sua imagem a coisa promete.

 

Em suma: o Benfica está ligeiramente mais forte no ataque, tem mais opções, sem se saber ainda com certeza se estará mais forte por isso, no meio-campo, e está absurdamente mais fraco na defesa e na posição de guarda-redes. Nos jogos mais a doer na pré-época isto fez-se sentir contra equipas de bom nível europeu casos do Arsenal e do Leipzig, no quais sofremos 7 golos em dois jogos! Por tudo isto estou bastante reticente para a nova época, mas confiante que até ao fim do mês ainda possamos corrigir os erros que teimámos em não corrigir nas férias grandes. Foi assim em 2014/2015 quando chegou Samaris pouco antes do fecho das inscrições e Jonas, já depois desse prazo (apenas possível porque estava sem clube).

 

 

O primeiro XI da época deve ser este: Bruno Varela; André Almeida, Luisão, Lisandro, Grimaldo; Fejsa, Pizzi, Salvio, Cervi; Jonas, Seferovic.

 

 

Os Benficas dos últimos tempos tiveram sempre arranques lentos e desesperantes e pontas finais fortes que culminaram em festa. Se este ano tiver de ser de novo assim, que seja. A aventura começa hoje contra o mesmo adversário contra quem ganhámos os nossos dois últimos títulos, nos dois últimos jogos que disputámos contra eles. Para quem acredita em superstições, amuletos e Nhagas não podia ser melhor. Como não há duas sem três, que venha de lá a Supertaça, e que no fim sejam eles a perguntar…

 

 

Pedro Filipe

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE