November 16, 2018

 

Com metade da temporada 2018 da NFL decorrida, vamos fazer uma análise ao que se tem passado, começando pela AFC.

 

The Gronk

 

A conferência americana continua a ser território dos Patriots, embora este ano com um adversário à altura, os Kansas City Chiefs. Os Patriots continuam a apoiar-se no ataque metódico comandado com excelência por Tom Brady, enquanto os Chiefs apostam mais num ataque explosivo, de big plays, que já conta com 46 jogadas de mais de 20 jardas e 11 com mais de 40 jardas.

 

Patrick Mahomes

 

Patrick Mahomes está a ter um grande ano, lidera as estatísticas em jardas e touchdowns, muito bem secundado por Travis Kelce, Tyreek Hill e Kareem Hunt. Sendo certo que esta equipa de Kansas já perdeu em Foxborough e tem um calendário teoricamente mais difícil, comparando com o de New England, é provável que o caminho para o SuperBowl na AFC passe novamente pelos arredores de Boston. Vejamos: os Chiefs têm como adversários de elevada dificuldade os Los Angeles Rams (na Cidade do México), os Los Angeles Chargers (no Arrowhead) e os Seahawks (em Seattle), enquanto que os encontros mais complicados para os Patriots serão em casa com os Vikings e em Pittsburgh, com um encontro traiçoeiro em Nashville. Chiefs e Patriots devem ter certa a passagem directa à ronda divisional dos playoffs. As ameaças a estas posições poderão vir de Los Angeles e Houston. Os Chargers começaram com uma vitória e duas derrotas, mas têm vindo a subir de forma e com uma vitória significativa em Seattle. Philip Rivers tem estado a bom nível (2236 jardas, 19 TD e 3 intercepções), Melvin Gordon está a caminho de ter o melhor ano da sua carreira e a defesa está também a cumprir, com Desmond King e Melvin Ingram em destaque. Os Texans começaram ainda pior, com 3 derrotas consecutivas, mas a partir daí venceram os 6 jogos que disputaram e estão bem lançados para vencer a AFC Sul. Em Houston sobressaem os regressos de Deshaun Watson e J.J.Watt. O jovem quarterback tem 2389 jardas, 17 TD e 7 intercepções a que junta mais 268 jardas em corrida e um touchdown. O ataque conta com o DeAndre Hopkins de sempre e um reforço de peso chamado Demaryius Thomas, que estava apagado em Denver, mas tem tudo para ressurgir em Houston. J.J. Watt tem estado disruptivo, registando 9 sacks e forçando 4 fumbles. Por sua vez Jadeveon Clowney tem 5,5 sacks, 2 fumbles recuperados, incluindo um para TD.

 

JJ Watt

 

Nesta conferência a divisão mais indefinida é a AFC Norte, onde Steelers, Bengals e Ravens mantêm fundadas aspirações a marcarem presença na ronda Wild Card.

 

Raiders on the storm

 

Como desilusões destaco Oakland Raiders e Jacksonville Jaguars. Em Oakland a entrada de Jon Gruden traduziu-se num inesperado desmontar da equipa, no que se poderá apenas entender numa perspectiva de “ano zero” para o antigo analista da ESPN, ficando assim com escolhas de draft para começar a moldar a franquia à sua imagem. Quanto aos Jaguars, não estão a corresponder ao esperado na defesa e têm sentido muito a ausência de Leonard Fournette no ataque, o que coloca muita a responsabilidade atacante sobre Blake Bortles, que não é jogador para carregar uma equipa às costas. Jacksonville nem começou mal, com 3 vitórias e uma derrota, mas a partir daí somou 4 derrotas consecutivas, incluindo expressivos 40-7 em Dallas.

 

Todd Gurley salta por cima de Jeff Heath, o safety dos Dallas Cowboys

 

Passemos agora à NFC. Ao contrário da conferência americana, em que os dois primeiros lugares da conferência deverão estar entregues, aqui temos um dos lugares entregue aos Rams, que estão a jogar muito bem, com Todd Gurley e Aaron Donald em destaque. O outro lugar vai ser atribuído após uma luta titânica entre New Orleans Saints, Carolina Panthers e Minnesota Vikings (apesar de estarem em segundo na divisão, os Vikings ainda têm dois jogos contra os Chicago Bears, jogos esses que vão ganhar). Em New Orleans tem sido o “Drew Brees show”. O veterano quarterback está a fazer uma temporada de altíssimo nível, registando neste momento 2336 jardas, 18 TD e uma intercepção, para um rating de 120,6 e uma percentagem de passes completos de 76.3%. Brees tem tido o precioso auxílio de Michael Thomas e Alvin Kamara, aos quais os Saints juntaram agora mais um veterano, Dez Bryant. Uma aposta arriscada, tendo em conta o perfil de Bryant. De referir ainda a excelente prestação da linha ofensiva, que apenas permitiu 9 sacks. Já a equipa defensiva tem espaço para melhorar, sendo neste momento a oitava que mais jardas concede por jogo e a sexta que mais pontos permite por jogo.

 

Cam Newton

 

Passando agora para os Carolina Panthers, a chegada de Norv Turner para coordenador ofensivo elevou o jogo de Cam Newton e com isso toda a ofensiva da equipa. Quem tem também beneficiado com este progresso é Christian McCaffrey, que já bateu os números da última temporada. A defesa tem sido regular, liderada pelo inesgotável Luke Kuechly e por Mario Addison. Assinale-se ainda o rookie Donte Jackson, que lidera a equipa no campo das intercepções, com 4. O calendário brindou-nos com ambos os jogos entre Saints e Panthers nas 3 últimas semanas da temporada regular, na semana 15 no Bank of America Stadium e na semana 17 no Mercedes-Benz Superdome. Já em Minneapolis, o investimento feito em Kirk Cousins está a compensar, com momentos como estes

 

 

Adam Thielen tem estado num ano de carreira, sendo neste momento o jogador com mais jardas em recepção da liga e tem sido bem secundado por Stefon Diggs. O jogo em corrida tem-se ressentido da ausência de Dalvin Cook, que no entanto regressou no último jogo. Já a defesa tem tido algumas dificuldades, mas parece estar a subir de forma no momento ideal. Apesar de ser a sexta defesa que menos jardas concede aos adversários, é apenas a 14ª em pontos permitidos. Uma área em que tem estado bem, liderando a tabela, é nos sacks, com 31, sendo que Danielle Hunter é o jogador com mais sacks, 11,5, sendo que todo o frontfour dos Vikings é muito forte.

 

Adam Thielen

 

Nesta conferência temos uma divisão em aberto, com três equipas a lutar pela vitória na divisão e única forma de acederem aos playoffs. Falo da NFC Este, onde temos Washington Redskins (5 vitórias, 3 derrotas), Philadelphia Eagles (4-4) e Dallas Cowboys (3-5) ainda com hipóteses. Destas 3 equipas, os texanos parecem ser a equipa em pior posição, não só por terem o pior registo, mas também por terem um calendário muito complicado, que inclui dois jogos com os Eagles, uma visita a Atlanta e a recepção aos New Orleans Saints e aos Washington Redskins. Continuando a falar dos calendários, os Eagles têm ainda 5 jogos dentro da divisão (com Washington e casa e fora, com Dallas em casa e fora e ainda em casa com os New York Giants), sendo que os restantes 3 são com adversários fortes, os New Orleans Saints (f), os Los Angeles Rams (f) e os Houston Texans. Já o calendário dos Redskins é bastante traiçoeiro, pois tem deslocações a Nashville e Jacksonville, equipas irregulares esta época. A equipa dos Redskins tem-se destacado pela defesa, 9ª em pontos permitidos por jogo e 10ª em jardas concedidas por jogo. Ryan Kerrigan, Matthew Ioannidis e D.J. Swearinger têm sido os alicerces defensivos da equipa. Do outro lado da bola, Adrian Peterson parece renascido. O veterano running back é neste momento o quinto melhor da liga em jardas ganhas. O jogo em corrida tem sido mesmo o ponto focal do ataque dos Redskins, sendo o 10º melhor da liga, enquanto o jogo em passe é apenas o 24º melhor. Já em Philadelphia, a época de defesa do SuperBowl não tem sido fácil. A defesa, apesar de permitir muitas jardas, sofre poucos pontos. Já o ataque é apenas o 21º melhor em pontos marcados e o 15º em jardas por jogo. Carson Wentz tem tido uma boa época, com 1788 jardas, 13 TD e 2 intercepções, para um rating de 109,6 e uma percentagem de acerto de 70.7%. Não vai ser fácil, mas a esperança mantém-se em Philadelphia.

 

Falando de desilusões na NFC, tenho a destacar duas equipas, das quais esperava muito mais: Green Bay Packers e Atlanta Falcons. Em Green Bay o ataque até funciona bem, mas só até à red zone. Aaron Rodgers sofreu uma lesão no joelho no primeiro jogo da época que tem limitado bastante o mágico dos Packers e não tem tido grande auxílio do seu jogo em corrida. A defesa é mediana e tem permitido bastantes pontos aos adversários. Já Atlanta vem neste momento de três vitórias consecutivas, sendo a última a mais impressionante, em casa dos Redskins. No entanto, o começo desastrado de época atrasou bastante os Falcons e com a qualidade dos oponentes será difícil para os Dirty Birds entrarem no sexto seed, o único que poderão almejar. O ataque dos Falcons está a carburar bastante bem, mas a defesa tem deixado muito a desejar, embora tenha sido dizimada por lesões. Atlanta concede 412,8 jardas por jogo aos adversários (5º pior registo) e 28,2 pontos por jogo (4º pior). Do lado atacante, Julio Jones tem estado bem. Embora só tenha um touchdown, o camisa 11 é o segundo com mais jardas em recepção. Os touchdowns têm ficado para o rookie Calvin Ridley, com 7.

 

Fãs da NFL, ponham o comprimido debaixo da língua e preparem-se para sofrer!

 

Nuno Fernandes

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE