December 10, 2018

 

Depois do fabuloso desempenho na época passada, os Vegas Golden Knights não começaram a 2ª época da sua (curta) história da melhor forma. Mas, nos últimos dias, parecem estar a voltar à boa forma!

 

Pois é, malta. Não sou apenas fã de Futebol ou de Futsal, mas também de outros desportos: Andebol, Hóquei em Patins, entre outros, sendo alguns deles, desportos americanos, como o Basquetebol, o Futebol Americano e … o Hóquei no Gelo. E é sobre isso que vou escrever, nesta semana.

 

Apesar de assistir a alguns jogos na TV e de ir, quase todos os dias, acompanhando a NHL, confesso que não entendo o desporto a 100%. Conheço praticamente todas as regras, algumas faltas (e as suas suspensões), as equipas, mas não conheço os plantéis na sua íntegra.

 

Comecei a ganhar um certo gosto pela modalidade, através dos videojogos, sendo que o primeiro foi o NHL 2000, para o PC. Mais tarde, joguei HORAS e HORAS (sem exageros!) um dos jogos que mais gostei de jogar: NHL 2002.

 

Mas, não é para falar de videojogos, que aqui estou. A equipa sobre a qual decidi escrever esta semana foram os Vegas Golden Knights, finalistas da Stanley Cup na época passada, a sua época de estreia.

 

Quem segue o desporto americano, sabe que as suas Ligas, seja de futebol (MLS), futebol americano (NFL), basquetebol (NBA) ou até mesmo hóquei no gelo (NHL), não funciona como as ligas de futebol ou basquetebol portuguesas, por exemplo, com várias divisões, subidas, descidas e afins. Sim, nem mesmo a MLS. Apenas têm uma divisão, apuram um campeão (com fase regular e, mais tarde, playoff) e no fim da época, existe um draft, que consiste na escolha de jogadores vindos do College –  Universidade – ou de outros continentes.

 

Como a equipa dos Vegas Golden Knights começaram apenas na época 2017/18, é lógico que tiveram de começar do “zero”, como aconteceu, por exemplo, com os Charlotte Bobcats, em 2004 ou como acontecerá com a nova equipa de David Beckham, o Inter Miami CF, a partir de 2020, na MLS.

 

Sendo assim, tiveram direito aquilo que se chama de Expansion Draft. Foi dada a possibilidade ao novo franchise de escolher jogadores de todas as equipas da NHL, podendo cada equipa “bloquear” essas escolhas colocando certos jogadores na lista de intransferíveis (7 avançados, 3 defesas e apenas um guarda-redes), tal como tinha acontecido no ano 2000 com os Minnesota Wild e os Columbus Blue Jackets, quando entraram na Liga). Claro que além dessa Expansion Draft, a equipa de Las Vegas, também teve o direito de escolher jogadores no habitual draft, que se realiza todos os anos.

 

Dessa Expansion Draft saíram jogadores importantes, como o Guarda-Redes Marc-Andre Fleury (3x campeão da NHL) ex-Pittsburgh Penguins, William Karlsson, ex-Columbus Blue Jackets (jogador com mais pontos – golos e assistências – dos VGK na fase regular), Jonathan Marchessault, ex-Florida Panthers ou James Neal, proveniente dos Nashville Predators. Ao todo, foram escolhidos 30 jogadores.

 

Em 2017/18, a época começou da melhor maneira para os Vegas Golden Knights, conseguindo mesmo 8 vitórias nos 9 primeiros jogos. No final, a equipa de Gerard Gallant, ex-defesa da NHL nas décadas de 80 e 90, com mais de 200 golos na sua carreira, acabou a Fase Regular com o registo de 51 vitórias (2 pontos cada), 24 derrotas e 7 derrotas em prolongamento/grandes penalidades (1 ponto cada). No total, foram 109 pontos obtidos, o 5º melhor registo de toda a Liga, o 3º melhor da Conferência Oeste e o melhor da Divisão Pacífica.

 

Para quem não sabe, o formato de Playoff da NHL é diferente do formato usado na NBA. Desde a época 2013/14, em que o formato se baseia nos 3 melhores de cada divisão (cada Conferência tem duas divisões) e os restantes, são “Wildcards”. Portanto, podemos mesmo ter 5 representantes de uma divisão e 3 de outra, como aconteceu na época passada, com 5 equipas da Divisão Metropolitano e, apenas 3, da Divisão Atlântico, na Conferência Este, por exemplo.

 

Os Vegas Golden Knights estrearam-se no Playoff, frente aos campeões de há 4 anos, os Los Angeles Kings. Drew Doughty, defesa dos Los Angeles Kings, disse, um mês e meio antes da série entre ambas as equipas: “No fim da época (playoff), os Golden Knights não têm hipóteses nenhumas de ser melhor equipa do que nós”.

 

Bem, na verdade, foi uma boa oportunidade para ter ficado calado, visto que a equipa estreante na NHL, aplicou uma valente “varridela” (ou “sweep”, como se chama nestes casos!), vencendo a série por uns claros 4-0, sendo que, em todos os jogos, os VGK venceram pela margem mínima: 1-0, 2-1 (com dois prolongamentos), 3-2 e 1-0. Impressionante também, é a introdução da equipa de Las Vegas, eis um exemplo:

 

Introdução no 1º jogo entre os Vegas Golden Knights e Los Angeles Kings e a entrada de ambas as equipas em campo

 

Os San Jose Sharks foram o adversário da ronda seguinte, com o visitante a conseguir vencer o 2º jogo, por 4-3 depois de 2 prolongamentos, empatando a série, depois de uns claros 7-0 da equipa de Las Vegas no 1º jogo! Ao fim de 4 jogos, o resultado em jogos, era de 2-2, mas no 5º e 6º jogo, os Knights levaram a melhor e seguiram para a final de Conferência, onde iriam defrontar os Winnipeg Jets!

 

Na Final de Conferência, o 1º jogo não correu nada bem à equipa de Las Vegas, com uma derrota por 4-2 em casa. Mas, foi apenas um acidente de percurso, visto que os restantes 4 jogos deram em 4 vitórias e apuraram os Golden Knights para a final da Stanley Cup e logo no seu ano de estreia! Foram a primeira equipa a conseguir esse feito, desde a época 1967/68, quando os estreantes St. Louis Blues conseguiram a passagem à final da Stanley Cup, tendo perdido por 4-0, frente aos Montreal Canadiens, mas nessa altura, apenas 8 equipas iam aos Playoff.

 

Resumo do 5º jogo da Final de Conferência, que deu a passagem à final da Stanley Cup aos Vegas Golden Knights

 

Na final, frente aos Washington Capitals, os Vegas começaram da melhor forma, com uma vitória por 6-4, em casa. Mas, infelizmente para eles, aconteceu o mesmo que tinha acontecido aos Jets na Final de Conferência e os Golden Knights apenas venceram o jogo inaugural. Os Capitals foram mais fortes, venceram os restantes 4 jogos e, finalmente, Alexander Ovechkin, conseguiu o tão ambicionado título, no seu 13º ano na Liga.

 

Com o estatuto de vice-campeões da NHL, os Vegas Golden Knights iniciaram a nova época de 2018/19 com algumas alterações. Perderam alguns jogadores em fim de contrato, como: James Neal (Calgary Flames) ou David Perron (St. Louis Blues), mas conseguiram Paul Stastny, proveniente dos Winnipeg Jets, o defesa Nick Holden, ex-Boston Bruins e Max Pacioretty, ex-Montreal Canadiens, vindo de uma troca.

 

A época não começou da melhor maneira para os Knights, conseguindo apenas uma vitória nos 5 primeiros jogos e chegando a estar com um registo de 9 vitórias, 12 derrotas e uma derrota, depois do tempo regulamentar. A partir daí, surgiram 5 importantes vitórias seguidas, frente aos Arizona Coyotes, Calgary Flames, San Jose Sharks, Chicago Blackhawks e Vancouver Canucks, sequência interrompida na madrugada de Sábado para Domingo, com uma derrota por 2-1 frente aos Edmonton Oilers.

 

Com o registo de 14 vitórias, 13 derrotas e 1 derrota depois do tempo regulamentar, os Vegas Golden Knights estão em 4º na Divisão Pacífica, com os mesmos pontos dos San Jose Sharks (menos um jogo) e estão em 3º na lista de “WildCards” da Conferência Oeste.

 

Se a época acabasse agora (ainda faltam cerca de 2/3 da Fase Regular!), os actuais vice-campeões, estariam de fora dos Playoff, mas, tendo em conta que já estiveram nos últimos lugares, é, de facto, uma boa recuperação!

 

Espero que façam uma campanha semelhante à da época passada, para ver mais introduções épicas!

 

Miguel Palha

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE