December 8, 2019

Matic, Di Maria, Ramires, David Luiz, Rui Costa e Cardozo, todos têm algo em comum, foram vedetas no clube português com mais adeptos, o Sport Lisboa e Benfica. Porém, o mesmo Benfica que viu estes portentos futebolísticos tornarem-se nomes reconhecidos mundialmente albergou uma quantidade imensurável de flops. O Meu nome é Juan Pereira e esta é uma viagem aos anais da história do Benfica, onde vou fazer a pior equipa de sempre do clube da Luz.

 

Antes de começar umas regras: Estão elegíveis todos os jogadores que jogaram no Benfica desde de 1993 até agora, uma vez que antes disso eu não morava neste país e interessava-me mais por triciclos do que por futebol. Como qualquer lista, esta é baseada numa opinião pessoal. Se discordarem deixem a vossa opinião. Vamos lá começar.

 

Guarda-Redes

Um bom guarda-redes é muitas vezes a diferença entre ganhar ou perder. Um jogador que pode passar 90 minutos sem tocar na bola para depois como uma defesa passar a ser decisivo. Durante o período contemplado para esta lista, a meu ver, só um guardião pode ser considerado de classe mundial. Com um cabelo de meter inveja ao maior actor porno dos anos 80/90, um tal de Michel Preud’Homme foi para mim, e para todos os que têm olhos na cara, o melhor guarda-redes dos últimos 20 anos do Benfica. Não acham? Tentem vocês não sofrer golos quando o vosso quarteto defensivo é composto por Ronaldo, Bermudez, Rojas e Escalona.

 

Menções Desonrosas

Neno – Sim, Neno, o Júlio Iglésias português. Embora não seja o protótipo de uma mau guarda-redes, os adeptos do Benfica tinham fobia de pontapés de canto quando ele estava na baliza. Mau timing nas saídas, aliado à permanente à Lionel Richie fazia de Neno um perigo.

 

Zack Thorton-  Quem? Isso mesmo. Um guardião norte-americano que passou 6 meses a treinar na Luz. Nunca jogou, nem nos jogos de treino. É preciso dizer mais alguma coisa?

 

Yannick – Quando Luis Filipe Vieira trocou o Alverca pelo Benfica, não trouxe apenas o Mantorras. Trouxe também um guardião francês que tinha nome de vedeta. Yannick Quesnel brilhou ao serviço dos ribatejanos, mas no Benfica nunca foi além de um aquecedor de banco. Ainda bem.

 

Bronze – Carlos Bóssio

Carlos Bóssio chegou para competir com Robert Enke pela vaga deixada por Preud’Homme na baliza do Benfica. Irregularidade no visto de trabalho adiaram a estreia deste gigante argentino. Resultado: Enke ganhou o lugar e só o perderia para o jovem Moreira. Bóssio não era mau, era péssimo. Era tão mau que se fosse hoje, o Enke no estado em que está, continuaria a ser titular perante o auge de Bóssio.

 

Prata – Moretto

Quando Porto e Benfica andaram literalmente à chapada no aeroporto da Portela por causa deste brasileiro oriundo do Vitória de Setúbal, pensava-se que estava ali o futuro titular do Benfica. Quando os encarnados ganharam a corrida, havia uma sabor a vingança no ar. Pela primeira vez o Benfica tinha conseguido ganhar uma contratação ao rival do Norte. Porém, Pinto da Costa foi o último a rir. Chamado para substituir Joaquim, ou Quim para os amigos, Moretto mostrou todo o seu valor, com frango atrás de frango. Tinha tudo para ser bom. Agilidade, altura, reflexos, tudo excepto um cérebro. Moretto foi uma desilusão, mas não tão grande como o próximo.

 

Ouro – Roberto

8,5 milhões, repito, oito milhões e quinhentos mil euros, foi quando custou o espanhol ao Benfica vindo do Atlético de Madrid. Se viram os vídeos do Youtube de Roberto, realmente ele parecia um jogador que seria titular por muitos e bons anos. Porém, nenhum atleta provou tão rápido a sua inutilidade. Logo no primeiro jogo de pré-época, Roberto sofreu um chapéu de um padeiro. Mas Jorge Jesus viu nele um guarda-redes capaz de dar pontos. E deu. Deu pontos ao Porto. Um frango descomunal na Luz. Sim, ainda este ano ele fez uma exibição de encher o olho contra o Benfica na Champions, mas nada o desculpa da sua passagem por Lisboa. Roberto, alia tudo o que de mau eu afirmei sobre os jogadores que mencionei antes. A Burrice de Bóssio, o timing de Neno, a desilusão de Moretto. De facto, Roberto, foi para mim o pior guarda-redes que vi a jogar no Benfica, pelo simples facto de ter sido o que mais jogos a titular disputou.

 

Juan Pereira

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE