December 7, 2019

A UEFA Women’s Champions League compreende uma fase de apuramento de grupos, quatro rondas a eliminar e uma final de um só jogo.

 

Fase de qualificação
Os campeões com pior ranking competem em mini-torneios com grupos de quatro equipas, organizados por um dos clubes em competição em cada grupo.

 

Fase a eliminar
Os vencedores da ronda de qualificação juntam-se nos 16 avos-de-final às equipas apuradas diretamente para essa fase. A partir daqui a competição consiste em eliminatórias a duas mãos, seguindo-se os oitavos-de-final, que são sorteados juntamente com os 16 avos-de-final. O sorteio para a restante competição é então levado a cabo, com os quartos-de-final e as meias-finais a comportarem duas mãos. Se as partidas estiverem empatadas ao cabo de 90 ou 120 minutos da segunda mão, então vence a equipa que tiver marcado mais golos fora de casa. Caso contrário será necessário o recurso ao desempate por penalties.

 

Final
A final é decidida num único jogo, sendo o mesmo disputado duas noites antes da final masculina e na mesma cidade.

 

Anexo 1 (1)

 

Na época passada, o VfL Wolfsburg, em estreia, derrotou o detentor do troféu, o Olympique Lyonnais, na final da UEFA Women’s Champions League. A 22 de Maio, em Lisboa, as estreantes suecas do Tyresö esperam fazer o mesmo ao Wolfsburgo.

Encontros anteriores
Este é o primeiro jogo oficial entre as duas equipas, que também nunca defrontaram em provas europeias um clube do país do adversário.

 

Retrospectiva
O Tyresö tentará repetir o feito do Wolfsburgo, que na época passada se tornou na quarta equipa a conquistar o troféu no ano de estreia. Todas as equipas nesta condição são alemãs: o 1. FFC Frankfurt (em 2002, na época inaugural), o 1. FFC Turbine Potsdam (2005) e o FCR 2001 Duisburg (2009).

Já foram quatro as equipas da Alemanha a chegar ao título – Frankfurt (2002, 2006, 2008), Potsdam (2005, 2010), Duisburg (2009) e Wolfsburgo (2013) – ao passo que os outros países com vitórias fizeram-no sempre através do mesmo clube: Umeå IK, da Suécia (2003, 2004), Olympique Lyonnais, de França (2011, 2012) e Arsenal LFC, de Inglaterra (2007).

O Wolfsburgo espera tornar-se na terceira equipa a revalidar o título, depois do Umeå e do Lyon.

Esta é a sétima final consecutiva e a 11ª no total com um representante da Alemanha, cujas equipas ganharam as três primeiras e depois perderam duas para o Lyon, que na época passada foi derrotado pelo Wolfsburgo, por 1-0, em Stamford Bridge.

Esta é a sétima final com um representante da Suécia: o Umeå ganhou em 2003 e 2004, mas perdeu em 2002, 2007 e 2008 e o Djurgårdens IF foi derrotado em 2005. As 13 finais tiveram uma equipa da Alemanha ou da Suécia (ou ambas) envolvidas.

Esta é a quinta final entre uma equipa alemã e uma sueca em 13 épocas. O Frankfurt derrotou o Umeå em 2002 e 2008, mas perdeu em 2004. O Potsdam bateu o Djurgården em 2005.

Factos das equipas
Várias jogadoras do Tyresö estão em vias de deixar o clube no Verão: Meghan Kingenberg, Whitney Engen, Christen Press, Marta, Caroline Seger e Verónica Boquete.

Madelaine Edlund voltou à equipa depois de ter sido mãe no Inverno, enquanto Tinja-Riikka Korpela, Fabiana, Rilany, Mayara e Thaisa foram contratadas.

A avançada Marta espera conquistar ao serviço do Tyresö o segundo título europeu, dez anos depois de se ter sagrado campeã no Umeå, numa vitória por 8-0 a duas mãos sobre o Frankfurt. Marta marcou dois golos na vitória em casa por 3-0, no primeiro jogo, e mais um na segunda mão, que o Umeå venceu por 5-0, na Alemanha.

Marta também jogou pelo Umeå as finais de 2007 e 2007, ambas perdidas. Edlund, Lisa Dahlkvist e Carola Söberg faziam, igualmente, parte do plantel em 2007 e 2008, embora Söberg tenha ficado no banco em 2008.

Na final de 2008, Marta abriu o marcador em casa para o Umeå, na primeira mão, antes de Conny Pohlers igualar para o Frankfurt. Pohlers bisou no segundo jogo, na Alemanha, tendo Dahlqvist feito o golo das suecas.

Pohlers, do Wolfsburgo, que fará o último jogo europeu antes de se retirar no verão, é a única jogadora com títulos conquistados ao serviço de três clubes: Potsdam (2005), Frankfurt (2008) e Wolfsburgo (2013)

Pohlers e Viola Odebrecht podem tornar-se as primeiras a ganhar a competição por quatro vezes.

Pohlers é a melhor marcadora da história da competição, com 48 golos.

Pohlers é a melhor marcadora em finais, com oito golos, mais quatro do que Marta. Se Pohlers jogar, igualará o recorde de Anna Paulson, com oito presenças em finais (incluindo as duas mãos das finais disputadas antes de 2009/10).

Outras jogadoras com mais de um título na equipa do Wolfsburgo são: Josephine Henning (Potsdam 2010, Wolfsburg 2013), Odebrecht (Potsdam 2005 e 2010, Wolfsburg 2013), Nadine Kessler (Potsdam 2010, Wolfsburg 2013) e Alexandra Popp (Duisburg 2009, Wolfsburg 2013).

Em relação à equipa que ganhou a final do ano passado, Luisa Wensing, Lena Goessling, Zsanett Jakabfi, Anna Blässe, Ivonne Hertmann, Martina Müller, a suplente utilizada Lina Magull e a suplente não utilizada Stephanie Bunte, para além do treinador Ralf Kellermann, mantêm-se no Wolfsburgo. Müller marcou, de grande penalidade, aos 73 minutos, o golo da vitória sobre o Lyon, por 1-0, em Stamford Bridge.

Kellermann pode imitar o feito dos treinadores Bernd Schröder (Potsdam, 2005 e 2010), Hans-Jürgen Tritschoks (Frankfurt 2006 e 2008) e Patrice Lair (Lyon, 2011 e 2012), que conquistaram duas vezes o troféu.

Nilla Fischer, do Wolfsburgo, é internacional pela selecção da Suécia, tal como Söberg, Seger, Edlund, Dahlqvist, Antonia Göransson e Malin Diaz.

Figura da Final

 

Anexo 2 (3)

 

Marta Vieira da Silva, mais conhecida como Marta (Dois Riachos, 19 de Fevereiro de 1986), é uma futebolista brasileira que atua como atacante. Atualmente, joga pelo Tyresö FF, da Suécia.

Marta já foi escolhida como melhor futebolista do mundo por cinco vezes consecutivas, um recorde entre mulheres e homens. Foi considerada pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.

Após a grandes exibições recentes e, principalmente, nos Jogos Pan-Americanos de 2007, Marta chegou a ser comparada a Pelé, sendo chamada pelo mesmo de o “Pelé de Saias”. A alagoana declarou que se emocionou ao saber que o rei do futebol acompanhou os jogos da seleção feminina. Além disso, entrou na calçada da fama do Maracanã, sendo a primeira e, até agora, a única mulher a deixar a marca dos pés neste local.

 

A Juíza da Final

 

Anexo 3 (3)

 

A árbitra ucraniana Kateryna Monzul foi nomeada pela UEFA para dirigir a final da Liga dos Campeões de futebol feminino, entre Wolfsburgo e Tyreso.

Kateryna Monzul, de 32 anos, é árbitra internacional desde 2004 e apitou 57 jogos das competições europeias durante a carreira.

Na final, Monzul terá como assistentes as compatriotas Natalia Rachynska e Maryna Striletska.

A quarta árbitra será a também ucraniana Kateryna Zora, enquanto a portuguesa Olga Almeida foi designada como árbitra de reserva.

Embaixadora da Final

 

Anexo 4 (2)

 

Anexo 5 (1)

 

Anexo 6 (1)

 

Mónica Susana Carvalho Jorge (Coimbra, 9 de Junho de 1978) é uma treinadora de futebol Portuguesa.

Antes de ser Ex-treinadora de futebol foi atleta federada de Atletismo, Futsal e Halterofilismo. Nesta última modalidade coleccionou diversos títulos, de que são exemplo os Campeonatos Regionais e Nacionais Juvenis (1995), Juniores (1996 e 1997), bem como o título de Campeã Regional e Individual Absoluta (1996 e 1997).

A jovem técnica – portadora do IV Nível do Curso de treinadores UEFA Professional é licenciada em Desporto de Alto Rendimento (variante Futebol) pela Escola Superior de Desporto de Rio Maior (Instituto Politécnico de Santarém). E dirigiu as Escolinhas e o escalão de Infantis ‘B’ do FOOTescola de Rio Maior (Núcleo Sportinguista de Rio Maior), nas épocas 2000/2001 e 2001/2002, além de ter sido técnica-adjunta do mesmo clube nos Infantis, Iniciados e Juvenis, entre 2000 e 2003.

Mónica Jorge foi Selecionadora Nacional de Futebol Feminino desde Agosto de 2007, depois de ter cumprido, como Treinadora Assistente da Federação Portuguesa de Futebol, responsável pela coadjuvação das Selecções Nacionais Femininas, um percurso que começou na época 2000/2001.

Foi a primeira Seleccionadora Nacional Feminina com o curso de treinadores da UEFA PRO e foi a primeira mulher a pertencer a uma Direcção da Federação Portuguesa de Futebol. É desde Janeiro de 2012 Directora da FPF responsável pelo Futebol Feminino.

Estádio do ResteloPalco da Final da UEFA Women’s Champions League de 2014

 

Anexo 7

 

Capacidade: 19.000
Inauguração: 1956

Situado na freguesia de Belém, por trás do Mosteiro dos Jerónimos, o Estádio do Restelo é a casa do CF Os Belenenses e vai acolher a final da UEFA Women’s Champions League de 2014.

Inaugurado em Setembro de 1956, com uma vitória do Belenenses por 2-1 sobre o Sporting Clube de Portugal, o recinto chegou a ter capacidade para 60 mil espectadores, mas ficou com menos desde que passou a contar apenas com lugares sentados.

Portugal disputou seis encontros particulares neste estádio entre 1980 e 2002, derrotando a República Federal da Alemanha por 1-0 em 1983. O recinto serviu de base à selecção de Itália no EURO 2004.

Fundado em 1919, o nome Belenenses significa a equipa de Belém e na época de 1945/46 conseguiu tornar-se no primeiro clube, para além de Sporting, SL Benfica ou FC Porto, a vencer o campeonato português, uma proeza só repetida pelo Boavista FC em 2000 /01.

O clube também conquistou três títulos antes da instituição do campeonato, em 1934 e venceu a Taças de Portugal por três vezes e a segunda Liga em 2012/13.

O Estádio vestiu-se a rigor para receber esta final, ficando ainda mais bonito e apelativo, levando um tapete novo.

 

Anexo 8 (1)

 

Anexo 9 (1)

A taça é lindíssima, como podem constatar na foto.

 

Anexo 10

 

O Jogo

Agora o mais importante, o jogo, e que jogo caros leitores. A preparação estava feita, o estádio vestiu-se para dar ainda mais cor ao jogo, com 11.217 Adeptos.

Anexo 11

 

Anexo 12

 

Anexo 13

 

Anexo 14

 

Foi um jogo épico, a fazer jus a uma final da UEFA Champions League, seja ela Feminina ou Masculina. O Tyresö começou melhor, Marta inaugurou o marcador aos 28´ com um golo de levantar o estádio, 2 minutos depois foi Vero, aquela Senhora Espanhola com o nome esquisito de Boquete!

Anexo 14A

 

O Tyresö controlou o jogo na primeira parte e veio para a segunda parte com o intuito de controlar o jogo, mas Wolfsburg entrou com tudo qual rolo compressor mostrando a frieza dos Alemães e aos 47´ Alexandra Popp reduziu para 2-1, a partir dai só deu Wolfsburg! Aos 53´Müller empatou o jogou, aproveitando o facto de estarem a jogar momentaneamente contra 10, obrigando o Tyresö a um último esforço. Aos 56´mais uma maldade de Marta, com um golo espetacular e de novo vantagem para o Tyresö, mas o Wolfsburg veio ao Restelo com intuito de ganhar e aos 68´conseguiram de novo empatar o jogo pela Verena Faisst, sendo que aos 80´Müller bisa no encontro e acaba com o Tyresö. No final foi o Wolfsburg que sorriu e levantou a taça.

 

Anexo 15

 

Anexo 16

 

Em jeito de conclusão, acho que as mulheres dignificaram a Final, e que isto poderá ser um mau presságio para o Real Madrid, visto que a Melhor do Mundo perdeu a final…

 

Hugo Morgado

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE