November 16, 2018

Os meses de Abril e Maio foram para os amantes do boxe, como um hectare de cannabis legalizado para Snoop Dog. Perfeição.

Por entre outros combates e confrontos altamente interessantes, os dois melhores pugilistas da actualidade, sobre os quais já aqui me dediquei, travaram dois duelos em menos de um mês. Floyd Mayweather (FM) e Manny Pacquiao (MP), separadamente, enfrentaram dois pugilistas cujas características fizeram antever um espectáculo forte e promissor. Não desiludiram.

 

MP surge novamente a defrontar Timothy Bradley (TB), num combate repleto de expectativa. Na primeira vez que estes dois pugilistas se encontraram, a vitória “apareceu” para Bradley, numa decisão altamente questionável e posteriormente contestada por vários intervenientes. 50 dos 53 orgãos de comunicação social aferidos, davam a vitória ao Filipino. Prontamente MP exigiu um rematch, e no passado dia 12 de Abril, não desiludiu.

 

A sua vitória foi incontestável, mostrando-se um pouco mais agressivo neste combate, de forma a garantir sem margem para dúvidas e hesitações a vitória. O pugilista dominou o jogo, mostrou-se altamente confiante, e fiel ao seu estilo recuperou o título de campeão que há dois anos lhe fora desviado. É o oitavo combate seguido que MP ganha aos pontos e não por KO, encaixando mais 20 milhões de dólares na sua conta pessoal.

 

TB prontamente propôs um terceiro encontro para Novembro, ainda não confirmado por MP, uma vez que, este na sua qualidade de Congressman Filipino, estará afastado por uns tempos dos ringues, a financiar e executar um projecto de reabilitação de algumas zonas destruídas pelas recentes cheias no seu país, que resultou no desalojamento de milhares de famílias e um número alarmante de pessoas desaparecidas.

 

Igualmente em solo americano, Floyd Mayweather (FM), pugilista invencível até ao momento, aceitou discutir mais uma tentativa de ocupação do seu trono. Marcos Maidana (MM), pugilista Argentino de 30 anos que havia já defrontado nomes sonantes como Victor Ortiz, Amir Khan, Eric Morales e Adrien Broner, surgiu frente a Mayweather determinado, impiedoso, objectivo e com uma estratégia muito bem montada. Entrou para sair vencedor.

 

Assistiu-se a um combate muito duro, muito forte. Maidana adopta um estilo muito próprio, incomum para alguns, abundante, lança muitas mãos, inúmeros golpes, tornando os seus combates em autênticas batalhas de coliseu. O pugilista deixou FM bastante desconfortável nos primeiros rounds.

 

MM bloqueou várias vezes o americano nas cordas, e quase ininterruptamente lançou golpe atrás de golpe, num fôlego exasperado, pontuando várias vezes. FM demorou algum tempo, até conseguir adaptar-se ao jogo encolerizado de MM, que repetidas vezes, utilizou alguns golpes baixos para enervar o campeão. Mayweather chega mesmo a sofrer o seu primeiro e único golpe, por cima do olho, em toda a sua carreira profissional. Uma cabeçada involuntária (ou não) do seu oponente.

 

No entanto, FM ao longo do combate foi encontrando o seu ritmo, conseguindo criar a sua zona de conforto: defesa e contra-golpe. A sua insigne e autêntica postura defensiva fez o seu trabalho enquanto as suas direitas fortíssimas, principalmente alguns uppercuts foram pontuando e massacrando MM. No fim o americano mais uma vez saiu vencedor de um combate, que horas depois admitiu ter sido muito difícil, tentando dar aos fãs mais confronto e menos boxe.

 

Estes dois combates desfrutaram na assistência de personalidades como Jack Nicholson, 50 Cent, Denzel Washington, Brad Pitt e afins. Estamos todos à espera do mesmo, e a pergunta mantém-se: Quando teremos o verdadeiro prazer de ver FM e MP no mesmo ringue? Só o tempo o dirá. Por agora deliciemo-nos com estes dois grandes combates, com duas prestações exímias, protagonizadas pelos melhores do mundo.

 

Pedro Lisbon

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE