September 17, 2019

 

Decidi fazer um artigo a fingir. A fingir que não sei que a final da NBA vai ser disputada entre os Golden State Warriors e os Cleveland Cavaliers. Achei por bem fingir que os Toronto Raptors e os San Antonio Spurs estão à altura do fingimento que esta temporada é. Acham mesmo que não é uma época a fingir quando os Knicks estão em 3º lugar na conferência Este? Eu finjo que estou a brincar e vocês podem fingir que estão a ler este artigo. Não custa nada quando existe declaração de fingimentos.

 

Depois desta introdução inútil, vamos ao que interessa, partindo do pressuposto que o dito anteriormente não interessa muito, ou mesmo nada. Estamos a assistir a uma temporada especial, pelo menos, a nível individual. Russell Westbrook está com médias de triplo-duplo, algo que não acontece desde a época de 1961/62 quando Oscar Robertson quebrou, de forma inédita, essa barreira. O base dos Oklahoma City Thunder regista até ao momento, 30.5 pontos por jogo, 10.5 ressaltos e 10.6 assistências. Claramente que a discrepância em termos de casas decimais deixa antever que o atleta é descontrolado a jogar, não merece ser MVP e continua a ser egoísta. Repúdio fortemente qualquer adepto de Oklahoma que apoie Westbrook incondicionalmente como se ele tivesse mostrado lealdade e estivesse a ser o verdadeiro ganha pão da equipa.

 

Também a fazer uma season de alto nível, temos DeMar DeRozan. As médias de 28 pontos por jogo, 5.2 ressaltos e 4.2 assistências fazem com que seja lógico que os fãs dos Lakers não quisessem este jogador nas suas fileiras durante a off-season. “Ah e tal só sabe marcar pontos”, “Ah e tal o Clarkson é melhor”, “Ah e tal e é egoísta”, “Ah e tal ganha muito, mais vale pagar 18 milhões ao Deng”. Pronto, admito que esta última nunca ouvi de ninguém, mas, as outras, acreditem, ouvi e fiquei um pouco mais descrente na humanidade sempre que tal sucedia.

 

Para terminar esta espécie de panóplia de grandes performers individuais, é impossível não destacar James Harden. O “barbas” tem um belo restau… Perdão, o barbas da NBA renasceu como base e não só não está a desiludir, como está a surpreender. São 11.7 assistências por jogo! Leram bem, tem quase tantas assistências como jogadas em que faz passos. Harden está a todo o VAPOR e o nível de pontos não desceu como seria suposto. 27.6 pontos por jogo é a média que o atleta dos Rockets tem até ao momento, números bastante mais valiosos do que qualquer voucher natalício.

Filipe Pardal

No Comments

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE